Acumuladores Materiais e Emocionais – Parte 1

É bem mais fácil falar de um problema energético, começando por aquilo que podemos ver e constatar no cotidiano.

Como nosso objetivo é tratar do acúmulo desnecessário de energia e das consequências disso, no campo da realidade, escolhemos abordar o tema sob a ótica de um transtorno psíquico, que é a acumulação compulsiva e no próximo artigo, exploraremos a parte energética.

O que é acumulação compulsiva?

A acumulação compulsiva inclui TODOS três dos seguintes sintomas:

  • Colecionar e guardar muitos objetos, até mesmo itens que parecem inúteis ou que tenham pouco valor para a maioria das pessoas, e
  • Esses itens entulham os espaços em que a pessoa vive e impede que ela
    use os cômodos de acordo com o objetivo para o qual foram criados, e
  • Esses objetos causam angústia ou dificuldades nas atividades diárias.

Como a acumulação compulsiva é diferente do colecionismo?

Ao colecionar, as pessoas geralmente exibem com orgulho suas coleções e as mantêm bem organizadas.

Quais são os sinais da acumulação compulsiva?

  • Dificuldade de jogar objetos fora.
  • Uma grande quantidade de entulho em seu escritório, casa, no carro ou outros espaços (como em caixas e outras locais de armazenamento) que dificulta o uso dos móveis ou aparelhos domésticos, ou se movimentar pela casa facilmente.
  • Perder itens importantes, como dinheiro ou contas pagar, no meio do entulho.
  • Sentir-se sobrecarregado pelo volume de coisas que “tomaram conta” da casa ou ambiente de trabalho.
  • Não ser capaz de parar de levar para casa objetos gratuitos, como panfletos de propaganda, ou pacotes de açúcar de restaurantes.
  • Comprar objetos porque estão uma “pechincha” ou para “estocar”
  • Não convidar familiares ou amigos para dentro de casa devido a vergonha ou constrangimento
  • Recusar-se a deixar pessoas entrarem em casa para fazer consertos

O que faz com que jogar fora a bagunça seja difícil para acumuladores?

  • Dificuldade em organizar os objetos que possuem
  • Sentimentos estranhamente fortes (alegria, prazer) ao obter novos objetos
  • Fortes sentimentos negativos (culpa, medo, raiva) ao considerar ter que jogar fora os objetos
  • Fortes crenças de que os objetos são “valiosos” ou “úteis”, mesmo quando outras pessoas não os querem
  • Sentir-se responsável por objetos e às vezes pensar em objetos inanimados como tendo sentimentos
  • Negação do problema mesmo quando o entulho ou hábito de acumular claramente interfere com a vida da pessoa

Qual o perfil do paciente que sofre com a acumulação compulsiva?

A acumulação compulsiva pode começar cedo, na adolescência, apesar da média de idade de uma pessoa buscando tratamento ser cerca de 50 anos.
Acumuladores frequentemente enfrentam uma vida inteira lutando com a
compulsão. Eles tendem a viver sozinhos e podem ter um familiar com o
problema. Parece provável que problemas sérios de acumulação compulsiva estejam presentes em pelo menos uma em cada 50 pessoas, mas pode ser que uma a cada 20 pessoas lute com a doença.

A acumulação e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) são relacionados?

A acumulação compulsiva era comumente considerada um tipo de TOC. Alguns estimam que 1 em cada 4 pessoas com TOC também tenham problemas com a acumulação. Pesquisas recentes sugerem que quase 1 em cada 5 acumuladores compulsivos tenham sintomas de TOC não relacionados à acumulação. A acumulação compulsiva também é considerada uma característica do transtorno de personalidade obsessivo-compulsivo e pode se desenvolver com outras doenças mentais, como demência e esquizofrenia.

Que tipo de coisas as pessoas acumulam?

Geralmente, as pessoas acumulam objetos comuns, como papel (por exemplo, correspondência, jornais), livros, roupas e recipientes (como caixas, sacos de papel e de plástico). Algumas pessoas acumulam lixo ou comida estragada. Mais raramente, as pessoas acumulam dejetos humanos e animais. Frequentemente, os itens acumulados têm valor, mas estão em quantidade muito maior do que é considerado razoável para ser usado.

Quais sãos os efeitos da acumulação compulsiva?

  • A acumulação severa põe em risco a segurança das pessoas vivendo dentro ou próximo da casa, causando problemas de saúde, danos estruturais, incêndios e até mesmo morte.
  • Ações de despejo custosas e emocionalmente devastadoras ou outras ações judiciais podem levar a hospitalização e à perda do lar.
  • Conflitos com familiares e amigos, que se frustram e se preocupam sobre o estado da casa e sobre os comportamentos de acumulação compulsiva.

A acumulação compulsiva é causada pela pobreza ou dificuldades financeiras?

As pessoas que acumulam objetos compulsivamente se consideram “poupadoras”.
Elas também acreditam que seu comportamento se deve a terem passado por um período de pobreza ou dificuldades durante a vida. A pesquisa até o momento atual não apoia essa ideia. Entretanto, passar por um evento traumático ou grande perda, como a morte de um cônjuge ou parente, pode levar ao agravamento da acumulação compulsiva.


A acumulação compulsiva pode ser tratada?

Sim, a acumulação compulsiva pode ser tratada. Infelizmente, não tem respondido bem aos tratamentos mais usados para o TOC. As estratégias para tratar a acumulação incluem:

  • Desafiar os pensamentos e crenças da pessoa sobre a necessidade de manter objetos e sobre acumular novas coisas;
  • Sair sem comprar ou recolher novos objetos;
  • Jogar fora e reciclar o entulho. Primeiro, remover os objetos com a ajuda de um médico ou especialista e então começar a eliminar o entulho de maneira independente;
  • Participar de um grupo de apoio ou começar uma parceria com um terapeuta para selecionar os objetos acumulados e reduzir o entulho;
  • Compreender que podem ocorrer recaídas;
  • Desenvolver um plano para evitar a acumulação de novo entulho no futuro.

Como posso ajudar um amigo ou familiar a eliminar o entulho?

Tentativas de familiares e amigos de ajudar a eliminar o entulho podem não ser bem recebidas pela pessoa que acumula. Ajuda muito ter em mente que:

  • Até que a pessoa esteja internamente motivada a mudar, pode ser que não aceite sua ajuda;
  • A motivação não pode ser forçada;
  • Todas as pessoas, inclusive acumuladores compulsivos, têm o direito de
    decidir sobre seus objetos e como vivem;
  • As pessoas que acumulam com frequência são resistentes a aceitar ajuda e a jogar fora seus objetos.

Quando uma pessoa parece disposta a conversar sobre um problema de acumulação, siga essas instruções:

  • Respeite-a. Reconheça que a pessoa tem o direito de tomar suas próprias
    decisões no seu próprio ritmo.
  • Tenha simpatia. Compreenda que todas as pessoas têm um certo apego aos seus pertences. Tente entender a importância dos seus objetos para elas.
  • Motive-a. Sugira ideias para tornar suas casas mais seguras, como retirando o entulho das entradas e corredores.
  • Trabalhe em parceria com elas. Não discuta sobre se devem ou não jogar fora algum objeto; ao invés disso, descubra o que ajudará a pessoa a jogar fora ou organizar o entulho;
  • Reflita. Ajude a pessoa a reconhecer que a acumulação interfere em seus
    objetivos e valores. Por exemplo, ao retirar o entulho de casa, uma pessoa pode receber amigos e familiares, tendo uma vida social mais gratificante.
  • Peça permissão. Para desenvolver uma relação de confiança, nunca jogue nada fora sem pedir permissão.
No próximo artigo, iremos expandir esses conceitos para o mundo da energia e saberemos como "desentulhar"  nosso campo energético e nossa dimensão interna.

3 thoughts on “Acumuladores Materiais e Emocionais – Parte 1

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: