Verdade e Realidade

Texto: Alê Barello | Ilustração: Gisele Caldas

ilustra_giselecaldas_ESCUTO_4_ www.gisele-caldas.blogspot.com

Ilustração: Gisele Caldas

Na frente de cada individualização neste início do Novo Ciclo, deveria ter uma placa luminosa, com letreiros em neon piscando constantemente a frase: “Estamos em reforma para atendê-lo melhor!”

Sim, estamos “em processo” e a tônica é justamente derrubar nossos próprios conceitos ilusórios e chegar à Verdade.

O contrário de verdade não é mentira é ilusão.

Ilusão que nos leva a achar que realidade é tudo o que existe e se não existe, não pode ser verdadeiro. Também nos faz imaginar que o que existe é verdadeiro, um perigo maior ainda.

Mas faz mais do que isso; a ilusão nos envergonha de vez em quando, ao detectarmos internamente que não podemos sustentar o desafio de nos transformarmos, apenas nos utilizando dos elementos da realidade: se não for verdadeiro, irá ruir.

Daí temos uma gama enorme de aspectos da ilusão em nossas vidas, desde as que aprendemos a amar quando crianças (a fantasia pura e simples, a superstição), às que nos ensinaram (os conceitos cristalizados no tempo e no espaço, o senso comum), as que quisemos que fizessem parte de nossas vidas por escolha (as teorias aceitas sem comprovação pessoal, ou aquilo que sempre funcionou para os outros e “deve” funcionar para mim também), as que não temos condições de avaliar do nosso ponto de contato com outras esferas (o sistema da terceira dimensão, os postulados imutáveis, o funcionamento do Universo), as que insistimos em perpetuar mesmo já tendo a resposta interna e agora, sem parênteses e em maiúsculo: O PADRÃO DO VELHO CICLO.

Se você ainda está em dúvida quanto à diferença de uma e outra — verdade e realidade — pode pensar em termos hipotéticos:

Tome este mundo como verdadeiro. Imagine-se chegando junto com Alice ao País das Maravilhas. No caso, em comparação ao seu mundo verdadeiro, ele seria realidade… Agora pense que o cenário do Senhor dos Anéis é o território vizinho ao País onde está Alice… Daqui desse mundo fora da ficção, o mundo de Tolkien é realidade, assim como o País das Maravilhas é realidade

Dê uma volta de 180 graus e pense no seguinte conceito: este mundo no qual vivemos agora é tão “real” quanto é o País das Maravilhas e a Vila Hobbit, ou Valfenda!

Não se engane: não há ninguém, que tenha rompido definitivamente o véu entre realidade e verdade, pois este é um desafio tão grande que não poderia nos pertencer. Há vislumbres, há epifanias, não há perenidade.

Por isso, o próprio Ciclo é quem se incumbe de dar conta de rasgar — por vezes, dilacerar — a estrutura para que enxerguemos.

“É uma tragédia!”

Ah, é sim!

É desesperador aquele momento de ficar frente à frente com a Verdade e sucumbir à grandeza brilhante que cega e faz tudo mais desaparecer.

(Êxodo 33: 18-23)

“Então ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória.

Porém ele disse: Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e apregoarei o nome do Senhor diante de ti: e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem me compadecer.

E disse mais: NÃO PODERÁS VER A MINHA FACE, PORQUANTO HOMEM NENHUM VERÁ A MINHA FACE, E VIVERÁ.

Disse mais o Senhor: Eis aqui um lugar junto a mim; ali te porás sobre a penha.

E acontecerá que, QUANDO A MINHA GLÓRIA PASSAR, te porei numa FENDA DA PENHA, e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado.

E, havendo eu tirado a minha mão, ME VERÁS PELAS COSTAS: MAS A MINHA FACE NÃO SE VERÁ.”

 

Por que será que não se podia ver Deus, a não ser pelas costas? De que tamanho era essa Verdade que não podia sequer se apresentar diretamente?

Pois bem: não nos vemos, a não ser indiretamente. É através de um espelho, ou do outro, que tomamos consciência de nossa própria existência. Sua verdadeira face é tão misteriosa a você, quanto a minha é a mim. Temos o mundo todo para “ver”, menos a nós.

34. (…) Tenta aprender a verdade aproximando-te de um mestre espiritual. Faz- lhe perguntas com submissão e presta-lhe serviço. As almas auto-realizadas te podem transmitir conhecimento porque viram a verdade.

35. Tendo recebido verdadeiro conhecimento de uma alma auto-realizada, jamais voltarás a cair nesta ilusão, pois, com este conhecimento, verás que todos os seres vivos são apenas partes do Supremo, ou, em outras palavras, que eles são Meus.

36. Mesmo que sejas considerado o mais pecaminoso de todos os pecadores, quando estiveres situado no barco do conhecimento transcendental serás capaz de cruzar o oceano de misérias.

37. Assim como o fogo ardente transforma a lenha em cinzas, ó Arjuna, do mesmo modo, o fogo do conhecimento reduz a cinzas todas as reações às atividades materiais.

38. Neste mundo, não há nada tão sublime e puro como o conhecimento transcendental. Esse conhecimento é o fruto maduro de todo o misticismo. E aquele que se familiarizou com a prática do serviço devocional desfruta este conhecimento dentro de si no devido curso do tempo.

39. Um homem fiel que se dedica ao conhecimento transcendental e que subjuga seus sentidos está qualificado para conseguir este conhecimento, e, tendo-o alcançado, obtém rapidamente a paz espiritual suprema.

Bhagavad Gita

 

De que mestre o Bhagavad Gita nos fala?

Seria alguém igual a você na dimensão e existência, um que como qualquer outro, sequer enxerga sua própria face?

O texto nos leva a recorrer à alma transcendente, auto-realizada, (AUTO, que faz a si mesma!!!) ou seja, à nossa própria individualização superior, aquela que subjugou os sentidos e não mais “vê, ouve, cheira, saboreia ou sente, fisicamente”. Transcendeu e sabe.

No Ciclo anterior o desafio era que aprendêssemos a amar uns aos outros.

Imaginando que alguns já conseguiram, o Novo traz a incumbência de que aumentemos as semelhanças e diminuamos as diferenças.

O acréscimo da VERDADE não é exclusivo deste Ciclo, porque é indispensável tanto para amar quanto para conviver.

Todo aquele que continua a se esconder da Verdade nem ama, nem convive, nem consigo, nem com as outras individualizações.

Então, a cada pista que me é mostrada de dissolução, de ruptura, de rompimento ou de aparente caos — trazida pela Verdade — eu agradeço e penso, aliviada: “estou mais perto, nesta circunstância, da Verdade.”

E uma vez mais perto é impossível recuar. Quando a Verdade se apresenta na minha vida, não olho para trás: arquivo a situação, sacudo a poeira – você já assistiu à implosão de um edifício? — e amarro os sapatos com nó duplo para não perder mais tempo!

Em frente, minha gente, caminhemos pavimentando essa estrada com o nosso melhor e deixando à Verdade a tarefa de abrir a trilha e romper os véus.

Como guia, tomemos a mão de nossa individualização maior e permitamos que ela possa ser os olhos que nunca teremos nesta dimensão para enxergar o esplendor.

Seja Luz!

Comments

  1. zeneide

    Hora de rever nossos conceitos e agir sempre fazendo as mudanças necessárias… “Todo aquele que continua a se esconder da Verdade nem ama, nem convive, nem consigo, nem com as outras individualizações.”… isso é fato!!

  2. Claudia Sampaio

    Ale, seus artigos me lembram do processo do Neo (Matrix) – nós nunca saímos inalterados. E mesmo que queiramos voltar (por ilusão), não é possível, já que a consciência aumenta. E a responsabilidade decorrente também. Mas, com estas óticas desafiadoras, fora do senso comum, redescobrimos a capacidade de realizar “milagres” com a Luz do Coração. Gratidão.

  3. Vera Lúcia Rodrigues de Souza

    “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32)
    E, diariamente busco a minha libertação e diariamente descubro que sou limitadamente livre, mas posso ainda mais. Diariamente meu espelho fica maior e posso ver um pouco mais de minha face oculta nos escombros.
    Sim, estou em reforma e seus artigos tem o “dom” de desembaçar meu espelho.
    Muitíssimo Grata!!!

  4. Maria Aparecida Basso

    Muito verdadeiro ALÊ ,uma vez que iniciamos esse processo e começamos a nos ver como realmente somos e nos conhecermos ,dia apos dia é um novo aprendizado e vcs vem nos ajudando com todos esses textos ,realmente não é fácil deixarmos as velhas roupas que nos serviram por séculos a fio ,mas a hora é agora de relembrarmos ,quem somos ,de onde viemos e o que podemos fazer.Assim como o nosso mestre Jesus nos disse :Vós sois Deuses ,podeis fazer o que eu faço e muito mais.SEJA LUZ!!!