Escolha do Editor

Vamos falar sobre Luz?

Em dias de “é pau, é pedra, é o fim do caminho”, é preciso lembrar-se do essencial.

E como nosso mote contínuo e permanente é SEJA LUZ!, talvez algum desavisado, por um momentinho que seja, se esqueça a que veio.

Pois é, gente “da Luz”. Você se propôs, consciente e deliberadamente, a iluminar.

Você sabe o que fazer, sabe o que quer, sabe onde está e tenta entender para onde vai, o que é absolutamente normal na caminhada de qualquer ser de terceira dimensão, enclausurado num corpo que não segue a velocidade da mente que, por sua vez, “mente” através da ilusão.

Então, num belo dia, seu mundo ideal, cheio de GRATIDÃO, NAMASTÊ, COLABORAÇÃO, ILUMINAÇÃO E MEDITAÇÃO ENTRA EM COLAPSO PORQUE A BATATA SUBIU.

Também tem a falta ônibus, gasolina, etanol, si bemol e cantoria. Falta alegria e entendimento. Falta gentileza e sabedoria. Falta civilização, né?

O medo se instala… A escassez se aproxima. Seu ser primário, aquele que é guiado pelo eixo comida-sobrevivência se apresenta como mestre de sua existência e abafa sua essência.

Até aí, eu entendo. Não falo isso da boca para fora. Entendo mesmo, com a compreensão de quem também sente medo e também adoooooooraaaaaaaaa uma pésssima previsão só para acionar o gatilho  “estou acima disso e posso lidar com as mazelas do mundo”. UAU! Que fodásticos somos, hein?

Então, nesse Dia do Medo, tudo o que você vê é o caos. E mais: começa uma retroalimentação espontânea de notícias, whatsapps, comunicações, premonições, intuições, posts e emails sinistros, que parecem colar em você como superbonder cósmico, daqueles que são capazes de segurar um pedaço do sol da galáxia no lugar certinho, sem danos ao cosmo-sistema.

Se não isso, o contrário: o descolar. O descolar da realidade, oposto ao pertencer, que nos faz parecer os gnomos do mundo encantado que nada vêem, nada sabem e continuam colhendo tâmaras no jardim de Nefertite. Existe a tribo do “tô nem aí”, alheia, literalmente descolada do mundo real; não liga, não opina, não quer saber.

Notícia ruim: AMBOS, CEGOS!

O que você NÃO VIU até agora foi a pura LUZ!

Sim, acredite nisso!

SE TUDO O QUE VOCÊ DOUTRINOU SEU EGO A APRENDER FOI SER LUZ E VIVENCIAR A LUZ, POR QUE MESMO, VOCÊ FICA ATERRORIZADO QUANDO UM GRANDE FEIXE DE FÓTONS ILUMINA UMA ÁREA ESCURA, NO ÂMBITO SOCIAL, QUE PRECISA SER VISTA PARA QUE SEJA SANADA?

Que pensamento estranho é esse que nos faz imaginar que o que acontece contemporaneamente, nas cidades, no país, no continente, no planeta, é sombra, e não, a Luz agindo?

É DE LUZ QUE SE TRATA TUDO ISSO!

Não é possível consertar o que não se sabe que existe. Como trataríamos de algo que não pertence à consciência?

E consciência, meus queridos, é um foco – tipo raio laser – num aspecto antes colocado de lado, preterido, vergonhosamente deixado para mais tarde na lista de tarefas do existir.

Quando o esquecido vem à tona, iluminado pela essência, com um olhar honesto e gentil, é impossível que não haja um milagre, uma vez que o próprio fato de olhar já é sagrado e o entender as circunstâncias é unificador.

Mas quem é o catalizador disso tudo?

VOCÊ, QUE ESCOLHEU ILUMINAR, MAS QUE COM SUA CONDIÇÃO DE REALIZADOR EMPREGA A ENERGIA, MAS NÃO DETERMINA ONDE ESTA SERÁ UTILIZADA.

Cada um que pretende que haja mais desenvolvimento e crescimento nesta dimensão, voluntariamente empresta sua luz essencial para todo e qualquer aspecto dissonante. Chame-o de problema, de crise, ou de sombra; é isso que representa, no final das contas: sombra, o oposto dual de luz.

Que a cada dia, mais e mais sombras deixem de existir, porque escolhemos, conscientemente olhar, iluminar e curar.

Eu nunca senti tanto alegria em dizer SEJA LUZ!

E é com essa alegria que eu desejo, fortemente, que você siga, sendo.

SEJA LUZ!

3 Comments
  1. Gratidão ! Seja luz! _/\_

  2. Gratidão, Alê querida! Abração de luz!

Leave a reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Unaversidade