Um Milagre em cada Agora

Texto: Alê Barello

segundo corpoJunho, 30. Metade do ano combinado socialmente, já se foi. Contando em dias são 179; em pedaços menores, 4296 horas e 257760 segundos, cada um destes últimos, repletos de unidades cósmicas de não-tempo, chamadas Agora.

Agora é uma verdade, não uma medida e por sua importância, deveria ser escrita com com letra maiúscula.

Nesta dimensão explicada pelas leis da Física, é o momentum.

A segunda lei de Newton diz que um corpo não mudará o seu momentum, a menos que sobre ele atue uma força.

Momentum é a quantidade de movimento e depende da massa e da velocidade do objeto envolvido. Ou seja, mede a inércia do corpo. Quanto maior a inércia, maior a força que têm de ser aplicada para alterar a velocidade do corpo.

Momento e Movimento, são indissociáveis; formas-pensamento criadas de modo entrelaçado e interdependente, andam juntas apesar da ausência/presença de tempo, que por sua vez, nessa trilha de pensamento, pode ser considerado como uma linha consciente de momentos que fazem — ou não — sentido para o observador. Consciente, todavia, não é nem lógico, nem real, é simplesmente detectável, catalogável e organizável. Além disso, a mesma noção pode ser aplicada ao Espaço, que também é igualmente percepção detectável, catalogável e organizável, de áreas de presença.

Quando um acontecimento desafia a percepção de tempo, ou de espaço, dá-se a ele o nome de Milagre.

É um milagre que depois de uma queda de 50 metros alguém sobreviva. É milagre quando pães e peixes aparecem antes de serem pescados, ou assados! É um milagre que uma doença que na linha do tempo evoluiria para a morte, “faça uma curva” e mantenha o corpo com mais saúde do que antes de sua ocorrência. É um milagre que alguém que tenha nascido cego, volte a enxergar normalmente… É um milagre que alguém que esteja na China, apareça, no minuto seguinte, no Brasil.

Nada disso “combina” com o que sabemos e definimos como tempo e espaço. Não nos parece possível que essas noções sejam desafiáveis e que causa e consequência, de repente, se desconectem numa ruptura tão severa e inexplicável.

O Codex dedica um capítulo especial ao entendimento dos Milagres, quando aborda as Leis que regulam os ganhos, méritos, presentes e as energias de troca (Capítulo IV). Eles estão à disposição, caso comecemos por entendê-los, o que por si só já é um desafio, uma vez que nos ensinaram que além de inexplicável, um milagre é “inesperado”, e nunca, em tempo algum, dependeria de nós! “Quanto menos estivermos pensando nele, mais fácil de acontecer”, segundo a base de conhecimento dos últimos 13 mil anos, pelo menos.

Não sejamos ingênuos, porém, ao imaginar que o capítulo que trata dos milagres no Codex, possa ser usado pinçando-se uma lei e achando que apenas ela dará conta de provocar um acontecimento desanexado de tempo e espaço e sem estabelecer relação entre causa e consequência.

É mais do que necessário que o conjunto todo seja analisado e compreendido e, posteriormente, inserido no corpo dos outros capítulos, com a absorção das demais leis.

Deixo aqui algumas perguntas relacionadas ao capítulo IV do Codex para que, neste Agora, você receba o presente do entendimento. Elas serão a chave de assimilação dos demais artigos dessa semana, na qual trataremos tanto do Agora, quanto dos Milagres em si. Também sugiro que não use seu tempo debatendo com os outros suas percepções. Responda a você, com auxílio de sua individualização mais sábia. Há que se tirar muito entulho do baú da experiência para ser honesto nas respostas e sinceramente, não sei se somos capazes de tê-las tão de pronto, como gostaríamos. Esse é um caminho individual e por isso, o roteiro vem em forma de perguntas e não de respostas…

17. Lei da Credibilidade

Ganhar, receber e aceitar o crédito pelo que se faz e recusar o crédito quando não se fez. A credibilidade é cumulativa em relação à energia e precisa estar alinhada com a consciência.

  • Você está atento aos movimentos que exerce, individualmente, e aos que não são provocados por você?
  • Você se responsabiliza por tudo, ou responsabiliza às outras individualizações por determinadas situações?
  • Quem está no comando?
  • Há comando?

18. Lei da Troca

Trocar é obter de outro, algo que não se pode produzir. O Universo só valida trocas na impossibilidade de produção de algo por aquele próprio ser.

  • Você tem consciência do que pode produzir e do que não pode produzir?
  • Você está dando ao outro o que ele não pode produzir?
  • Você está solicitando de outro o que não pode produzir, pessoalmente?
  • Você está solicitando de outro o que pode produzir, pessoalmente?

19. Lei da Descrição

Tudo aquilo que é descrito limita e confina ou liberta e expande. A descrição não é regulada pela cocriação. Ela é individual e assim, relativa, como tudo mais que é individual. Esta Lei pode ser usada para benefício de todos os seres, quando tratada de forma a fazer crescer.

  • Você entende que esta é a lei que determina o que será validado, ou não, no seu entorno energético?
  • Você percebe que suas opiniões, pensamentos, sentimentos e palavras encaminham tudo o que existe na sua vida em termos de expansão, ou de confinamento?
  • Você tem consciência de que tudo o que produz, de uma forma ou de outra, interfere no benefício — e na liberdade ou confinamento — de todos os seres?

20. A Lei da Coletividade

O que é bom para todos é bom na medida de suas necessidades e de sua participação individual. Esta Lei se contrapõe ao conceito de que coletivo é igual para todos e privado é bom apenas para alguns indivíduos.

  • Suas percepções de coletivo e individual estão claras?
  • Você consegue compreender que coletivo não é sempre bom para todos e que privado não é sempre bom para apenas alguns?
  • Você sabe quando está terreno individual e quando se encontra no território coletivo?

21. A Lei da manifestação da Fonte

Solicitar diretamente à Fonte, algo merecido, em troca de algo que seja justo.

  • Você criou seu canal de acesso direto à Fonte?
  • Você tem clareza de quando deve fazer uma solicitação?
  • Você tem consciência do que produz — em termos de energia/informação — para justificar um pedido merecido à Fonte?
  • Como vai sua noção de justiça? (ver no Codex, definição de Justiça)

22. A Lei da Duração e da Densidade

Mantém e regula a existência objetiva daquilo que foi criado, cocriado, descrito, ou manifestado pela Fonte, nas dimensões. Esta Lei é usada a partir da Lei da Realidade, através da força energética gerada pelas mentes individuais.

  • Você percebe o motivo da Lei da Cocriação não estar neste capítulo?
  • Você emprega energia/informação suficiente para manter o que foi criado, cocriado, descrito, ou manifestado?
  • Você já compreendeu a diferença entre Realidade e Verdade?
  • Você consegue ligar esta lei à da Coletividade, percebendo o que diz a última frase: “através da força energética gerada pelas mentes individuais”?

 23. A Lei do Entusiasmo

Agir continuamente movendo o fluxo das energias, tornando possível a manifestação de algo.

  • Você detecta momento e movimento nesta lei? Onde?
  • Qual a relação entre Continuamente e Agora?
  • Qual a relação entre energia/informação e fluxo?
  • Seria a “manifestação de algo” o milagre, em si? Por quê?

24. A Lei da Essência

A existência de tudo é o que é. Essencial é o que é maior e melhor, inclusivo e abrangente, adequado e útil, em relação às opções.

  • O que faz esta Lei no capítulo relacionado aos Milagres?
  • Você tem feito a reflexão sobre as opções que lhe são apresentadas?
  • “Tudo o que é”, tem uma existência. O que seria “tudo o que não é?”

25. A Lei da Incompletude

A menos que todas as partes voltem ao Todo, nada está completo. Só há completude em relação ao momento seguinte e isso só pode ser feito no agora.

  • Por que esta Lei encerra o capítulo sobre as Leis que regulam os ganhos, méritos, presentes e as energias de troca?
  • Você está preso em noções relacionadas ao “definitivo”?
  • Definitivo e milagre cabem na mesma frase?

Por fim, quatro perguntas gerais e não menos importantes…

  • Milagres têm espaço em sua vida?
  • Em caso positivo, como pretende que aconteçam?
  • Pretende mesmo que aconteçam?
  • E quem os provocaria?

Bom trabalho individual e Seja Luz!

10 Comments
  1. Uau… uma existência inteira nesta dimensão para entender as perguntas e compreender as respostas!!! Abrindo o cadernão para as evidas anotações! Boara lá… <3 😀

  2. Mt grata! Sincronia absurda!

  3. Muitas perguntas prá se fazer e se responder com sinceridade…. refletir bastante e ver até que ponto deixamos que os milagres façam parte de nosso agora…Eu particularmente já vivi e vivo ainda muitos milagres em meus dias.. Sou grata por viver esse agora!

  4. Reply
    Rosane Sánchez 30/06/2014 at 3:22 PM

    Uma reencarnação é pouco para responder a todas estas perguntas. Mas, posso chamar de “milagres”, várias situações que aconteceram em minha vida, e sou imensamente grata ao Universo!
    Gratidão, Alê querida, pelo texto que coloca-nos a refletir qual o melhor caminho a seguir! Abração de luz!

  5. Reply
    Claudia Dantas Fonseca 30/06/2014 at 4:23 PM

    Muitas releituras deste ” Artigo “, são necessárias para rever nosso-meu, modo de olhar-ver-observar, entender e agradecer a nossa mudança e transformação oportunizada por este lindo e maravilhoso texto.

  6. Gratidão querida! Vivo de Milagres sou presenteada sempre e eu posso afirmar vivo da Fonte que me Provém, trabalho confio e Agradeço. Belas perguntas bom dever de casa! Bjkas <3

  7. Reply
    Claudia Sampaio 01/07/2014 at 7:03 AM

    ❤ Uau!! Agradeço muito!! *.* Ale, seu texto me fez pensar numa frase de Tony Robbins: “A melhor maneira de conseguir respostas melhores é começar fazendo perguntas melhores.” – como as questões deste artigo 😀

  8. Sou amante da perguntas mesmo que muitas das que faço fico sem reposta, em termos, porque a falta de resposta já é uma resposta. Mas lendo esta perguntas lembrei aqui de um verso que quando li pela primeira vez me deixou espantada de quão sério é fazer perguntas. Diz o seguinte:

    “Sim, tudo depende da pegunta; quanto mais profundamente perguntas, tanto mais veemente é a resposta – o gênio não fica a dever nenhuma; mas temos receio de perguntar e, muito mais, de ouvir a resposta e de compreendê-la, pois isto nos custa esforço e dores; de outra forma, nada podemos aprender – de onde o tiraríamos? Quem pergunta a Deus, a esse ele responde com o Divino.”
    Bettina Brentano

  9. Cada um tem suas perguntas e respostas no que realiza nos seus momentos e se cobra o tempo todo qual movimento pode ou não fazer ,para acertar e ver os milagres ou não acontecer , nossos passos , nossos atos , nosso temperamento , nossa voz …
    Tanto a mudar ,tanto a compreender ! E com certeza estas perguntas são uma boa chave para nos ajudar ! Gratidão !

  10. Reply
    Cristina V Haas 10/07/2014 at 7:46 PM

    Gratidão irmã Luz.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade