Treinando a Compreensão

treinando a compreensãoTodas as tarefas que se apresentam em nossas vidas dependem de um treino.

Deixando de lado a habilidade diferente de cada indivíduo, podemos constatar que, desde que haja disposição no cumprimento de uma determinada incumbência, na realização de um trabalho, na execução de um ofício, este objetivo chegará a bom termo, uma vez que se tenha a orientação necessária para tal.

Desde pequenos somos treinados para realizar as mais diversas funções e, após esse tempo, isto estará tão misturado aos nossos hábitos que jamais pensaremos que, em determinado momento, tivemos que passar por um treinamento.

Utilizamos essa aptidão na nossa ocupação diária, mas nem sempre desenvolvemos essa mesma capacidade automática e instantaneamente na interação com os outros indivíduos, tanto pessoalmente, quanto através das mídias, o que faz com que os relacionamentos, pessoais ou virtuais, sejam contaminados por muitas discordâncias, equívocos, interpretações múltiplas, causando situações com consequências, muitas vezes, dolorosas.

O que será que os nossos pais, professores, instrutores queriam nos passar quando repetiam aquela tão famosa fase: “Preste atenção no que estou falando!”?

Se “prestar atenção” também é um treinamento, talvez não tenham nos explicado em detalhes como fazê-lo e, é justamente isto que precisamos treinar novamente.

Quem nunca ficou constrangido ao conversar sobre um assunto importante enquanto seu interlocutor não para de responder mensagens no celular, ou não tira os olhos da tela da TV, ou simplesmente continua a olhar para o infinito, como se você não lá estivesse? E, se você tem liberdade suficiente para lhe pedir para prestar atenção, ele lhe responde que está atento ao que você diz. Por mais importante que seja o assunto, isto já é motivo para encerrar a conversa, ou melhor, o monólogo.

Hoje, mais do que nunca, quando as informações correm rapidamente, mas não são assimiladas com a mesma agilidade e quando os ânimos e comportamentos se alteram e mudam com a mesma ligeireza, precisamos repensar nossas atitudes e treinar nosso talento em não fazer ao outro aquilo que não achamos conveniente para nós mesmos.

Algumas regrinhas podem nos ajudar nesse treinamento:

– Para escutar o que o outro está dizendo precisamos primeiramente ouvir mostrando atenção. A “cara de paisagem” que fazemos quando estamos em monólogo interior, isto é, pensando em outros assuntos internamente, nos denuncia claramente, portanto devemos deixar nossos próprios temas para mais tarde e oferecer, com gentileza, nossa concentração;

  • Livros, revistas, jornais, monitores, celulares, TV, som, podem ser deixados para mais tarde, pois se essa criatura nos procurou para conversar é porque somos suficientemente importantes para merecer sua confiança.
  • Se o ambiente for barulhento, fechar a porta também ajudará a mostrar nosso cuidado, assim como a nossa discrição;
  • Se esse ser quer conversar, vamos deixá-lo falar. Antecipar a fala do outro, mostra que estamos impacientes e limita a possibilidade de exteriorização de ideias ou sentimentos;
  • Se ficarmos em dúvida sobre o assunto ou não entendermos bem o que o outro quer nos dizer, devemos perguntar, pedir informações, mostrar nosso interesse;
  • Concordando ou não com o que está sendo dito, devemos manter nosso respeito à livre expressão, agindo com integridade e serenidade.
  • Nas conversas virtuais, quando não temos a possibilidade de olhar nos olhos do nosso interlocutor, nem ouvir o som e a tonalidade de sua voz, a prudência deve ser redobrada, deixando ao silêncio a incumbência que tocaria às palavras e ao fraterno abraço.

Nesse nosso treinamento precisamos entender que:

  1.    Compreender é diferente de concordar.
  2.    Os fatos não representam a essência.
  3.    Traumas e distúrbios são de competência de profissional especializado.
  4.    O mais importante é ter em mente a primeira das bases gerais para cada indivíduo, no Novo Ciclo: NÃO JULGAR.

Que consigamos alcançar a maestria em mais este treino e que possamos ganhar a Medalha de Ouro da Compreensão.

Seja Luz!

Comments

  1. laura

    Gratidão,pois este texto me ajudou muito, estava buscando uma resposta e veio…..estou sem palavras para agradecer…espero que ajude outras pessoas…..isso só me deu mais certeza de que quando estamos no caminho as respostas vem….

  2. Maura Azevedo

    Que percepção, que maestria você tem com palavras e sentimentos! Agradeço, Iara. Compreender, ouvir, disponibilizar-se. Gosto muito também de Empatia (conviver com o meu outro Eu). Seja Luz!