Puxando o fio da meada

Texto: Claudia Sampaio | Ilustração: Gisele Caldas

Ilustração: Gisele Caldas

Ilustração: Gisele Caldas

A Lei da Penetração do Codex me faz pensar numa artesã prendada costurando. Lidar com agulhas é tarefa para individualizações focadas, habilidosas, conectadas, criativas, que saibam construir algo útil, sustentável e duradouro. Sim. U-hum.

O que chega a ser cômico, se não fosse trágico, é que ostentando conscientemente estes requisitos do perfeito artesanato ou não, todos nós recebemos da Vida, agulhas, tecidos e novelos de linha, inseridos numa grande Teia. E para completar, cada um de nossos atos se torna uma contribuição brilhante ou desastrosa nesta grande obra, que é nossa realidade.

De vez em quando, nos enrolamos, como presos a um novelo, todo embaraçado. Cada energia (informação, sentimento, pensamento) idéia que encontra em nós foco, atenção e qualidade, tece uma linha e penetra no nosso tecido – a realidade.

E assim cravamos com um monte de agulhas penduradas, de trabalhos, ideias, criações que pretendíamos dar algum prosseguimento, mas não o fizemos, por preguiça, comodismo, distração. Umas atrapalhando as outras.

Parece cama de gato. Enroscados e perfurados. Tantas agulhas chegam a ser perigosas. Sim, os mais estabanados, e nisto me incluo, nos espetamos com frequência e dói… Ui!

A Lei da Penetração – Codex diz:

“Olhar com atenção e com qualidade para qualquer aspecto de energia, ou informação, faz com que esta energia ou informação penetre no coração e se expanda para a consciência global.”
Como saber qual destes fios puxar?

 

Para descobrir é necessário entrar no Espaço do Coração e ativar conscientemente o chacra tímico. Ele funciona como o buraco de uma Agulha Mágica. Tudo que nele penetrar encontrará O FIO DA MEADA dentro do coração: e teremos linha suficiente para tecermos o que quer que seja de bom, belo e útil, expandidos.

Este fio sagrado se estende até o nosso sétimo corpo, a consciência búdica ou crística, a Fonte, onde todos somos UM, como queiram chamar. Ele é longo, INFINITO. Uma vez que o puxamos até a nosso corpo tridimensional, este primeiro, um milagre acontece. Aquela confusão pontiaguda e embaraçosa desapareceu. Ah, sim, esta conexão nos ‘a_linha’ por completo. E o que é esta Agulha Mágica? É você mesmo, inteiro e harmonizado.
Movido pela sabedoria do coração, o Amor, seguirá tecendo sua realidade, com maestria e excelência e o fio mais encantado que existe: LUZ!

Comments

  1. zeneide

    Juntas tem o dom de nos fazer viajar em seus textos e ilustrações… maravilhosamente harmônico!! Gratidão Gisele e Claudia!!

    1. Claudia Sampaio

      Gratidão, Zê Muito Querida!!! Que mais que demaiXXXXXX a Ilustração da Gisele, né!!!? Vou ficar viajando e sorrindo toda a vez que olhar, já está gravada no coração.

  2. Gisele Caldas

    A Fada que escreve diz:
    “A Lei da Penetração – Codex diz:

    “Olhar com atenção e com qualidade para qualquer aspecto de energia, ou informação, faz com que esta energia ou informação penetre no coração e se expanda para a consciência global.”
    Como saber qual destes fios puxar?”
    Vamos puxar todos os fios, os que vibrarem alto vão ser usados mais de uma vez, os que vibrarem baixo, serão enrolados no novelo, vai perder a cor e seu uso… Gratidão em Wonnn

    1. Claudia Sampaio

      Você, Gi, sempre me ensinando palavrinhas e expressões. Sempre nos encantando com sua Arte! Muita honra ter um desenho seu aqui. Não sei como agradecer por esta Ilustração… Amei!!! Muito!!!
      Gratidão em Wonnn!!!

  3. marilda benevides

    Sem palavras…já li e reli várias vezes de tão lindo e estou aqui tentando encontrar o “fio da meada”para continuar tecendo a vida com amor e luz! Gratidão Cláudia, gratidao!

    1. Claudia Sampaio

      Marilda, dentro do seu Espaço do Coração você já encontrou o Fio da Meada. Agradeço o seu carinho muito lindo. Seja Luz!!

  4. Uiara Andriewiski

    Claudia, eu não sei se você já teve oportunidade de ver uma teia enorme se formando. Teia essa de pessoas completamente entrosadas. Pois é, eu vi e senti conforme íamos absorvendo palavras que bailavam no ar e nos entrelaçavam nos deixando arrepiados, junto com a linda bailarina que soube criar com perfeição essa teia. Seu texto está lindo, eu imagino o que sentiria e distribuiria se você estivesse lá. <3 <3 <3

  5. Isabor

    Creio que as tantas mudanças nos emaranham por não soltarmos a idéia anterior ao mudar de foco. O resultado ficam estranho com tantas mudanças. Ao deixar o plano tomar outro rumo devemos apagar/soltar os anteriores. A costureira usa além da linha e da agulha uma tesourinha para cortar as pontas e sobras.