Pistas para a Lei do Paradoxo

Griffin, entre os Agentes J e K no filme Homens de Preto 3

Griffin, entre os Agentes J e K no filme Homens de Preto 3

Quando estamos alinhados com a perspectiva de entender algo, em profundidade, achamos pistas em qualquer lugar!

Foi o que aconteceu comigo enquanto assistia a um filme totalmente sessão da tarde, Homens de Preto 3, estrelado por Will Smith, Tommy Lee Jones e Josh Brolin, como atores principais.

Claro que seria uma diversão garantida, principalmente porque a produção executiva do filme é assinada por Steven Spilberg, mas desta vez, quem rouba o roteiro é um personagem secundário, chamado Griffin, interpretado por Michael Stuhlbarg.

Em meio às trapalhadas de uma volta ao passado para salvar o mundo, os agentes K e J se encontram com um “previdente”, Griffin, que é capaz de alcançar todas as possibilidades dos futuros que estão prestes a se desenrolar.

Como isso seria possível?

Será que as coisas já não estão determinadas numa linha contínua e numa sequência lógica que não nos dá a menor alternativa quanto ao futuro?

Nem o filme, nem o Codex, interpretam isso assim!

Vejamos:

A Lei do Paradoxo

Toda energia resulta de um ponto de colisão que se expande ou se contrai. Após a escolha de expansão ou contração, esta energia, ou informação, se desloca em quatro direções, simultaneamente, combinando: causa e efeito com inércia e microcosmo e macrocosmo com vibração e é disso que surgem todas as possibilidades. Esta Lei serve para todas as dimensões.

Nossa parte no que diz respeito ao futuro, encontra-se, primeiramente, em definir quais informações colidirão. É o tal do Livre Arbítrio, a escolha que ainda temos como fazer e que é respeitada quase ao nível do imutável.

Podemos escolher e decidir e a partir disso, as energias colidirão com todas as ferramentas espalhadas pelo Universo e começarão um caminho sem fim, em dois eixos principais, resultando em, no mínimo, 4 possibilidade de futuro.

Um desses eixos é formado pelo paradoxo: causa e efeito de um lado e inércia de outro; o segundo, combina microcosmo e macrocosmo de um lado com vibração de outro.

O “previdente” Griffin pode não apenas saber a partir de cada decisão que é tomada qual será a consequência, mas entende também que outras três poderiam ocorrer, e que isso depende, exclusivamente, de cada “microação” realizada pelos envolvidos.

No filme, diálogos como : “— E daqui a 4 segundos, ele fará tal coisa, a menos que outro futuro se apresente…”, dão o tom surreal das falas de um alienígena da quinta dimensão que está ali para prevenir.

“Previdente”, a alcunha pela qual ele é chamado, não tem a ver apenas com vidência, com o saber o que vai acontecer, mas principalmente com “prevenir”, o alertar sobre as possibilidades que já estão ali.

Juntando isso à Lei do Paradoxo, uma das mais difíceis de se exemplificar no Codex, podemos inferir que o fato de entendermos que temos livre arbítrio não é o mais importante neste Novo Ciclo. Já passamos por esta lição e podemos considerar o tema, como um capítulo estudado, avaliado e antigo.

Na etapa atual temos que nos concentrar em adiantar possibilidades e entender consequências.

O futuro, tal como apresentado, não é nem uma possibilidade, muito menos determinado. São quatro, no mínimo e a escolha do eixo que mais nos interessa pode representar a aventura mais fantástica que já se apresentou para as individualizações da terceira dimensão.

Seja Luz!

Ficha Técnica Homens de Preto 3 – 2012

Gênero: Ação

Direção: Barry Sonnenfeld

Roteiro: David Koepp, Etan Cohen, Jeff Nathanson, Michael Soccio

Elenco: Alex Ziwak, Alice Eve, Anthony J.Gallo, Bill Hader, Brittany Natale, Chuck Schanaman, Dan Bittner, Dorothy Meyers, Emma Thompson, Francesca Tedeshi, Geoffrey Cantor, Jemaine Clement, Joe Urban, Joseph R. Gannascoli, Josh Brolin, Josh McBride, Karin Agstam, Keone Young, Kevin Covais, Lenny Venito, Liliane Klein,Michael C Hoaglin, Michael Chernus, Michael Dean, Michael Stuhlbarg, Nick Lawrence, Nicole Scherzinger, Rip Torn, Tommy Lee Jones, TonyJoe, Valentine Cris, Victor Joel Ortiz, Will Smith

Produção: Laurie MacDonald, Walter F. Parkes

1 Comment
  1. Alê querida, é incrível mesmo, “achamos pistas em qualquer lugar, quando estamos alinhados com a perspectiva de entender algo, em profundidade!”
    Muito bem colocado! Abraço de LUZ!

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade