Os milagres do Amor

relacionamento a dois

Ilustração: Gisele Caldas

Aos relacionamentos machucados. Aqueles desacreditados, tóxicos, asfixiantes, quase mortos.

Quase… Um dos milagres que tenho testemunhado é a ressurreição, a correção de muitas relações. Algumas tão impregnadas de um histórico de dor e amargura que fica difícil acreditar que possam ter florescido novamente.

E com tamanha força e ternura, em meio ao lodo emocional de acusações estéreis.

Como assim? Reconhecer e louvar o potencial do outro, e se reconciliar são a tônica deste Novo Ciclo.

A Lei Universal diz: “conhecimento e consciência de que cada ser existente tem do Universo todas as condições para desenvolver-se com pleno potencial, para crescer e para desfrutar, independentemente de sua forma de individualização.”

Aliada a esta temos o Decreto da Reconciliação: “substitui a Lei do Karma e decreta que todas as individualizações, em suas vastas formas de existência, devem unificar suas semelhanças e diminuir suas diferenças entre si.”

Um relacionamento pode estar fenecendo, em apuros estruturais, mas se sua essência se enraizou láaaa atrás num sentimento verdadeiro e mútuo, originado do coração, não há nada que o impeça de ser resgatado, por mais que os prognósticos e palpites do ego nosso e dos outros digam o contrário.

No Velho Ciclo, após anos de intenso trabalho terapêutico, de combinações cármicas, etc… Hoje, nesta atual Era que vivemos, que mudou os paradigmas do tempo e do espaço e a dinâmica relacional, obtemos uma resposta veloz a cada ação focada na Luz, vibracionalmente ampla e com maior capacidade de desobstruir o fluxo das conexões.

O desafio é a escolha. A escolha consciente de percorrer um caminho na relembrança de que ali naquela origem primária, dentro do coração único não há arestas permanentes nem distâncias insuperáveis entre dois seres.

Com as bases do Codex sendo vividas na prática ***, a aparência desfigurada de uma relação torna-se irrelevante diante da essência. E ao invés da linearidade monótona e lenta do raciocínio dos nossos caprichos, num átimo de amor aplicado, damos saltos quânticos, geniais e espiralados na direção da harmonia. E o milagre acontece… Da fragmentação à comunhão. De esfacelado a acolhido. De julgado a amado.

A prática do Exercício do Espaço do Coração é uma base segura para perceber o que uma determinada relação significa. Aí dentro, apenas a Verdade ampliada pela Luz de nossos chacras tímicos habita. E então, por mais que nosso desejo seja sustenta-la, a orientação de nossa centelha sagrada será a dissolução, concedendo o perdão das situações e libertando aquele vínculo, sem resistências, com gratidão pelo aprendizado.

Para outra relação, a resposta pode ser bem diferente… Contrariar e desafiar bastante nossa lógica. É o convite a se encantar outra vez, ainda que haja sustos o suficiente para leva-lo a querer fugir. Porque trilhar os caminhos ocultos e sombrios em nós e no outro, é tarefa para corajosos, aos que amam. Esta coragem se traduz na Luz mais linda que você verte sobre vocês dois –  a fluir e guiar os passos para que juntos, se redescubram um só, uma só emanação e manifestação do Amor da Fonte.

Desejo a você e a mim: coragem, transparência e toda a incondicionalidade com a qual o Amor Verdadeiro é tecido.

Seja Luz!

Compartilhando uma música que me inspira este Amor: To Zanarkand – Nobuo Uematsu

*** Bases pentadimensionais do Codex: 1. Não julgar 2. Ser humilde 3. Não fazer nada contra a Lei do Amor 4. Não resistir ao mal 5. Não fazer nada contra a Lei da Misericórdia.

3 Comments
  1. Gisele querida, gratidão por cada ilustração belíssima deste tema… Fascinantes. Mergulhar nelas… e se redescobrir Amor. Abraço tímico.

  2. “O desafio é a escolha. ” Quando se está empenhado em mudar, com base no amor essa escolha se torna mais clara. Gratidão Claudia pelo texto e música linda.

  3. Gisele gratidão pela linda ilustração.. formando a Unidade que somos.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade