O mais próximo desconhecido

espelhoSe tem algo sutil, é um propósito!
Tão fragilzinho, não?
E quantos temos e quantos outros queremos ter! Nossa, como somos tão cheios de objetivos e como portamos enormes bandeiras!
Um propósito pode ser criado a partir de um impulso, de um desejo, ou até de uma necessidade, mas sua permanência no campo de nossa concentração é tão insólita, que ele acaba se misturando às ideias paralelas e demais ocorrências diárias.
Isso tem relação com a falta de escuta e atenção interna.
Está bem, devemos aceitar o fato de que somos mesclados ao meio e que quase nada do que vivemos durante um dia é nosso.
Isso assusta?
Pois deveria!
Um dia de 24 horas, na terceira dimensão, é ocupado pelo que vem de fora, ou pelo imperativo de rechear e prencher o que está dentro.
Precismos de ar, de água, de alimento, de calor; queremos informações, palavras, imagens; não conseguimos nos fechar na cápsula da consciência sem o temor de perder algo importante “lá fora”.
E então, mais uma vez, volto ao tema que tenho abordado de inúmeras formas, nos debates, fóruns, artigos e encontros: quem é você, para além do que consome (e nos últimos tempos, venho reformulando a frase, modificando-a para “do que te consome”)?
Tem gente que descobre!
E fica tudo “lindo e feliz, resplandescente, mágico, brilhante” e mentiroso…
Encontre-se consigo, pelo menos uma vez, e terá vontade de ter treinado para uma maratona, onde a corrida o moveria para bem longe desse “outro”, desconhecido, inconformado e rebelde.
O que constatamos quando nos deparamos com quem somos, é assustador.
A primeira e mais normal atitude quando isso ocorre, principalmente se você não estava buscando tal comunhão, é deprimir-se. Mas não falo de tristeza, falo de desespero e desconsolo; de assombro e perda de referência.
Você é aquele que não precisa de nada disso que te cerca; que viveria apenas de amor e que nunca, em hipótese alguma, abandonaria suas convicções por um prato de comida material ou emocional, tendo vindo ele em forma de salário ou de abraços; de acordos familiares e comerciais, ou de relações convenientes.
Para além de seu círculo inicial de sobrevivência, o outro – que é você – te mostra a traição.
Você traiu seu planeta, sua missão desde sempre combinada e seu pequenino propósito nesta existência.
O fato é que não há alegria neste encontro inicial. Há desolação.
Muitos não saem mais dela e é aí que se vêem numa espiral de más escolhas: precisam voltar ao padrão, querem “desconhecer” sua verdadeira identidade ou pior, querem acabar com o padrão atual, sentindo tão profundamente a separação imposta pelas dimensões que nada mais passa a fazer sentido.
Porém, ao ser corajoso o suficiente para passar da fase do estranhamento e começar apenas a observar, um novo patamar de existência se descortina.
Você é quem sempre foi. O bug é sua vida atual, ou aquilo que pensa que ela é.
Não é preciso mudar de planeta, de galáxia, de dimensão para estar em contato com a Luz.
Você é, sem flexões de tempo, a Luz; uma representação individualizada da Fonte com um certo propósito… Qual?
Experimentar seu estado atual. Turista deste plano, existe para brincar (o play, no sentido de jogar, representar, divertir-se)  com a vida e leva-la ao mais alto grau de resplandescência.
Seu objetivo não é outro senão espalhar-se, ampliar-se, movimentar-se por todos os aspectos que se apresentarem, sem nunca resistir a eles e tampouco, julgando-os na dualidade que nunca houve.
Que coisa mais linda é descobrir-se!
Como é infinito o agora em que nos ajustamos, sem a covardia de recuar diante da imensa Luz que nos representa, principalmente, porque ela ofusca e esmaga a nossa atual imagem.
Para você que pensa que está tudo errado, fique tranquilo: está mesmo!
Inconformado – ou fora da forma – seus dias pesam e suas noites se arrastam. ÓTIMO!
Marque um encontro consigo, avance em direção ao flamejante você e mantenha-se nele.
Tudo por aqui é irreal, até este você que lê as palavras do artigo.
Comece cada momento de todo agora, com a frase:

“Está tudo em ordem comigo. Mas de quem estou falando?”

Um dia, você ouvirá um PLIC! e na sequência, seu anfitrião/você o receberá…
Saberá que se trata do mais genuíno você mesmo, porque ele enxugará suas lágrimas e fechará sua boca aberta de espanto, enquanto lhe dá as mãos e lhe saúda com um sonoro e brilhante:

“Seja Luz!”

_____________________________________________________________

*** Em tempo: Deixo uma música para ouvir com a leitura… É como uma mensagem de “Você Identidade” para “Você Imagem”, o atual. 🙂

Have a Litlle Faith – John Hiatt

When the road gets dark

And you can no longer see

Just let my love throw a spark

Have a little faith in me

When the tears you cry

Are all you can believe

Just give these loving arms a try, baby

And have a little faith in me

CHORUS:

Have a little faith in me

Have a little faith in me

And have a little faith in me

Have a little faith in me

When your secret heart

Cannot speak so easily

Come here darlin’

From a whisper start

To have a little faith in me

And when your back’s against the wall

Just turn around and you, you will see

I will catch, I will catch your fall baby

Just have a little faith in me

CHORUS

SUNG OVER FADE:

Well, I’ve been loving you for such a long time girl

Expecting nothing in return

Just for you to have a little faith in me

You see time, time is our friend

‘Cause for us there is no end

And all you gotta do is have a little faith in me

I said I will hold you up, I will hold you up

Your love gives me strength enough

So have a little faith in me

Tradução

Tenha Um Pouco De Fé Em Mim

Quando seu caminho ficar escuro

E você mal conseguir enxergá-lo

Apenas deixe meu amor iluminá-lo

E tenha um pouco de fé em mim

Quando as lágrimas caírem

E elas forem tudo em que você consegue acreditar

Apenas dê a esses braços carinhosos uma chance

E tenha um pouco de fé em mim

Quando seus sentimentos guardados

Não conseguirem falar tão facilmente

Venha aqui querida e eu te falarei bem baixinho

Para ter um pouco de fé em mim

Quando você estiver contra a parede

Apenas vire-se e você me verá

Eu te apoiarei, te pegarei quando você cair

Apenas tenha um pouco de fé em mim

Porque eu venho te amando por tanto, tanto tempo

Esperando nada em troca

Apenas que você tenha um pouco de fé em mim

Você compreende que o tempo, o tempo é nosso amigo

Porque para nós não há fim

E tudo o que você precisa fazer é ter um pouco de fé

em mim

Eu lhe ajudarei, eu te abraçarei forte

E seu amor me dá força o suficiente para eu acreditar

em mim mesmo

A única coisa que você deve fazer por mim

É ter um pouco de fé em mim…..

(Translate by Daydream Believer – Girl)

2 Comments
  1. Maravilhoso mergulho nas águas do nosso Eu, lindo texto, linda música! Parabéns e grata por existir Alê. Beijos de Luz!

  2. Reply
    Uiara Andriewiski 02/08/2013 at 8:48 AM

    FÉ…você é a FÉ que acredita em NÓS…Seres de vida em LUZ.
    Alê, Obrigada.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade