O cidadão cósmico

ilustra_giselecaldas_CIDADANIA_PLANETARIA_1_ www.gisele-caldas.blogspot

Ilustração: Gisele Caldas

Entre peixes dos mares do Hemisfério Sul, nas águas azuis de seus oceanos, num salto me vejo em pleno voo com olhos de águia. Por meio destes, posso olhar para o sol entre à visada do todo que a vista alcança, para em seguida, focar com precisão minha visão em um mínimo roedor que se camufla entre gramíneas verdejantes. Com ele , entro por dentro da terra, me entoco. Raízes, minhocas, sulcos com água fresca passam por mim enquanto atravesso o subterrâneo com ligeireza. Um cheiro de terra molhada me chama para a superfície, então me percebo em uma densa e populosa floresta, repleta de seres muitíssimo diversos em uma riqueza de espécies e cores sem igual. Sem esperar, constato que uma cobra me vê, no entanto meus olhos já são os dela e meu corpo já pode sentir o que o chão da terra me diz. Repouso sob o calor do sol e sinto o toque macio do ar na minha pele, ouço o cantar mágico dos pássaros e posso sentir as batidas do pequenino coração de um beija-flor. De pronto já estou voando parada, sugando o mais doce e generoso dos néctares de um jasmim. Sua brancura suave repousa na textura da neve que cintila nos Polos. Focas, pinguins, leões marinhos, baleias. No tamanho gigante me permito a linguagem das profundezas do meu coração, e canto. No silêncio na noite negra sou o canto, e reverbero em ondas seguindo o caminho até me chocar em uma enorme parede rochosa de um vulcão. Me integro aqui e sou agora rubra, quente, magnânima lava. Escorro , resfrio, solidifico. Sou chão , sou continente. Por mim tempos e tempos se passam, passaram e passarão sob patas e pés de todos os tipos , tamanhos e idades. E nestes, descalços, danço a sagrada dança da vida e sinto a força desse chão, sinto o ar dançando nos pulmões, impulsionando a Criação. Na liberdade dos meus movimentos, o céu noturno preenche meu campo de visão com sua via láctea adornando a lua prateada. São tantas estrelas brilhando ….. brilho junto à elas. Me sei, então, poeira, poeira de estrelas. E daqui avisto um lindo ponto azul chamado Terra.

12 Comments
  1. Reply
    Monica Moreira Pereira 19/11/2014 at 8:39 AM

    Uma viagem que todos nós fazemos a noite , mas nem todos tem a sensibilidade de ver e trazer para a Terra . Adorei tudo, o desenho de Giselle é maravilhoso, me senti andando junto …Gratidão.

  2. Gratidão pela viagem vivida agora! lindo artigo!

  3. Que delícia de viagem. Ouvi você declarando isso…. quem sabe no teatro!!??? Parabéns amadas Celle e Gi. <3

  4. Nos conduziu tão lindamente, com tanta riqueza de detalhes que torna-se difícil não viajar pelos mesmos caminhos durante a leitura.
    Gratidão, lindona!

  5. Reply
    Claudia Sampaio 19/11/2014 at 3:05 PM

    Intenso, intenso, intenso… também te imaginei declamando-o… Lindo demais, Querida Irmana. Gratidão.

  6. Poesia pura, emociona

  7. Reply
    marcelle sampaio 20/11/2014 at 11:38 AM

    Gratidão meninas!

  8. Queridas Marcelle e Gisele: a arte que as envolve proporciona a expressão pura e autentica do que de mais verdadeiro existe. Momento de sonho e reflexão, mas também de profundo encantamento. Gratidão, queridas!

  9. Reply
    micheline torres 22/11/2014 at 10:53 AM

    to chocada, nao esperava esta escrita, tudo junto e integrado, somos um em nossos corpos e alem.
    gratidao.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade