Mostre os dentes!

sorrirQuem me conhece, sabe que sinto um grande fascínio pelo olhar das pessoas de todas as idades.

Mas acho muito mágico o fato de que ao sorrir a gente mostre os dentes. Explico-me.

Os dentes são a única parte óssea que fica bem exposta no nosso corpo adulto, normalmente quando sorrimos.

Já me perguntei: por que será?

Por que ao sorrir, mostramos um pedacinho de um complexo sistema, absurdamente incrível que é nossa sustentação? E são várias pecinhas, todas juntas, alinhadas, cada uma na sua função!

Afinal, nada na Natureza é engendrado sem um objetivo.

Durante a encantadora peça Musas – Um encontro entre a pintora Frida Kahlo e a poeta Sylvia Plath, da sempre querida Marcelle Sampaio, me ative bastante tempo observando os crânios e seus dentes e caixões que compunham o belo e instigante cenário.

No devaneio, me lembrei de que um momento em que realmente somos todos um é o da morte, é o se tornar esqueleto, caveira, crânio. É uma certeza que invariavelmente todo adulto carrega, de que um dia iremos partir.

O sorriso é uma linguagem tácita desta unidade, deste destino inexorável.

Como um símbolo completo traz em si a reunião de dois princípios opostos, mas complementares: a vulnerabilidade e a nossa firmeza.

Abrir um sorriso (com o coração junto) é lembrar também ao outro da sua própria sustentação, força, coragem e independência.

Pelo impulso de espelhamento, o outro geralmente sorri também. E reforçamos e comungamos da mensagem: você é forte e vai superar seja o que for!

No entanto, há duas fases no nosso ciclo em que não temos dentes, na infância e na velhice.

O tão comovente sorriso sem dentes de um velhinho ou de uma criança nos lembra de sua fragilidade e nos incita à doação incondicional. Já o nosso sorriso sincero e aberto é uma indicação de que estamos disponíveis para o acolhimento, sem reservas, sem expectativas.

No entanto, são os sorrisos do velhinho e do bebê que mais nos enternecem. Como se o privilégio de receber deles um sorriso nos abençoasse com lições veladas de sabedoria e inocência, pureza de coração.

Para si mesmo, num dia desafiador, experimente se olhar no espelho, com a cara triste. Depois, esboce um sorriso, ainda que forçado. Sutilmente, veja a diferença que isto faz. Olhar-se sorrindo…

Aquele mesmo sorriso sem dentes nos lembra de nossa brevidade neste planeta. E já que o tempo é tão curto, vamos fazer um pacto?

Desde que sejam sinceros, nunca os reprimindo, vamos abrir sempre que houver esta doce oportunidade, nossos cristalinos corações junto dos nossos melhores sorrisos.

Bem grandão e bonito: SORRIA porque você é LUZ!

9 Comments
  1. Que lindo texto, Claudinha! Abração de luz!

  2. Muito lindo…. Ufa o que mais faço é sorrir. Hehe Adooooro! 😀
    Mas, existem também aqueles sorrisos disfarçados para esconder uma dor. Eu tenho uma amiga que é assim. Até nos piores momentos ela está sempre com um sorriso. Faz muitos anos que a conheço e não me lembro de tê-la visto sem um sorriso nos lábios.

  3. Gratidão Clau, por compartilhar sua sensibilidade e sutileza de olhar e ver a ponte entre Verdade e Força nesta ação que faz Bem a quem sorri e a quem recebe o sorriso. Meu sorriso inteiro !

  4. Reply
    maria josé vitor e victor 27/02/2014 at 12:02 PM

    Lindo texto, me senti realmente luz. Sim todas as vezes que eu sorri vou lembrar que estou irradiando LUZ. Obrigada!!!

  5. Reply
    marilda benevides 27/02/2014 at 5:24 PM

    Gratidão! E um sorriso de coração pra você Claudia…Seja luz!

  6. Reply
    Alexandre Magno 27/02/2014 at 6:08 PM

    Um enorme sorriso aqui e sempre!

    🙂

  7. Linda e abencoada reflexao . Gratidao, Amor e Luz

  8. Sorrir é fundamental, especialmente quando a alegria brota no coração. Gratidão pela reflexão!

  9. O sorriso com um símbolo da nossa vulnerabilidade e firmeza que em última instância revela o nosso destino ultimo, a morte. Olha Cláudia! parabéns por essa construção magnífica e que faz todo sentido. Só alguém muito acordado, um espirito observador e capaz de fazer conexões ricas para chegar a essa ideia. Faz todo sentido.

    Lembrei agora do princípio da impermanência. Para os Taoistas é a verdadeira natureza do nosso mundo e da nossa realidade. A nossa ideia ocidental de um universo permanente, imutável é uma crença mantido pelo ego que quer agarrar e manter tudo aquilo que tem valor para ele. Mas não obstante os desejos de nosso ego, o amadurecimento traz a esmagadora percepção de que tudo nas nossas vidas está sujeito a mudanças. Foi esse o seu olhar, a impermanência.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade