Metabolizando Luz

Artigo: Claudia Sampaio | Ilustração: Peder Morg – Paisagem no Rio

Peder_Mork_Monsted_MOP023Enquanto meu olhar se perdia nas copas das árvores do parque, me questionei: o que seria a caridade? Carência e caridade tem a mesma raiz carus = valioso, caro, apreciado, querido. Todas que denotam noção de valor. Incondicional.

Não há expectativa de troca. Não é câmbio. É uma doação. Daí que na caridade você não lamenta ter doado.  Sejam energias tangíveis (objetos ou aplicação de um dom, habilidade) ou intangíveis (carinho, silêncio, paciência, incentivo, perdão a uma situação).

Somos Um. Elas se derramaram de você na direção do outro, não para que ele lastime o vazio, incompletude.  Uma das características mais seguras sobre o grau de autenticidade de um ato caridoso é saber se o fizemos por alguma razão escusa, que não confessamos nem a nós mesmos. Exemplo? Necessidade compulsória de aceitação, de aprovação alheia.

Isso não invalida o gesto, mas sem dúvida, é uma questão a ser trabalhada. Com franqueza. Porque a carência de reconhecimento não é um bom berço para a caridade. Alguém que viveu alguma espécie de escassez pode ter até muito mais sensibilidade para suprir as necessidades que experimentou no âmago. No entanto, o ato caridoso nasce do resgate do próprio alinhamento com sua centelha divina, da consciência de que é capaz de gerar uma vibração que preenche, nutre, sustenta, até que a individualização destinatária se redescubra apta para realizar a ação por si mesma – a maestria.

Com a consciência de que o resultado (a maestria) vai se multiplicar – daí que a caridade está longe da dependência, como o medo está do Amor. Cativar a carência de alguém para que este se torne submisso e oprimido é um desvio brusco de rota. Entra aí, também a gratidão. Segundo o Codex gratidão significa que  “a energia recebida deve ser devolvida”. Hum… Se você tem tamanha consciência da Unidade que percebe que não está doando ao outro, mas a si mesmo, de quem você receberá a energia devolvida? De si mesmo.

Então, ela não se baseia na condecoração externa, nem de louros. É uma gratidão em que a energia devolvida poderia ser descrita pelo prazer nirvânico que sentimos quando exercemos a caridade. Não busca recompensas fora de si, a não ser notar que o outro está se sentindo melhor consigo mesmo.

A caridade é uma das melhores formas de redescobrirmos a aplicação do “unificar semelhanças e diminuir diferenças entre as vastas formas de individualização”*** .  Ela me lembra o protocolo do reino vegetal, que se doa e se adapta as nossas intervenções insanas, sem muitos questionamentos e julgamentos. Incondicionalmente. A lembrança de um ditado que diz que “a árvore não nega a sombra , frutos ou flores ao lenhador que irá ceifa-la” – me despertou  ternura e gratidão a árvore diante de mim.

Procuro senti-la.  Ela é um dos seres com o qual adoraria “unificar as semelhanças e diminuir as diferenças”…  Aprender…  Ela  respondeu direto no coração. Consegue metabolizar a própria nutrição e a nossa através da LUZ. Caridade pura. É uma querida mesmo, incrível como até o silêncio das árvores é eloquente, sábio e amoroso:  Seja Luz.

*** Decreto da Reconciliação – Codex

 

5 Comments
  1. Uma sincronicidade que amei… Enviei o texto ao Unaversidade, associando Caridade e Árvore. Tempos depois, minha caçulinha voltou da escola, carregando uma sacola da biblioteca, com um livro que ela escolheu. Ela sentou-se no colchão e retirou com muita cerimônia o livro. Então, pronunciou (como se tivesse ensaiado muito) pausada e corretamente o título dele: “A árvore generosa”.

    Eu o li e fiquei emocionada – cristalina sintonia com a Caridade, sensível e profundo do início ao fim. ❤ Recomendo com ênfase e carinho.

    Livro: “A árvore generosa” – Autor: Shel Silverstein – tradução: Fernando Sabino.

  2. Reply
    Monica Moreira Pereira 13/09/2014 at 6:52 AM

    Adorei a sugestão do livro, minha neta Ana Julia é uma devoradora de livros , não importa se em Ingles ou Portugues, coleções inteiras.
    ” A Arvore Generosa” meu presente para ela desta viagem. Eu imagino sua emoção com sua filhota , emociono-me muito com as minhas netas , amanhã já estarei ao lado delas .

    • Reply
      Claudia Sampaio 13/09/2014 at 2:13 PM

      Monica, fico feliz que a sugestão do livro infantil tenha sido útil – espero que suas netinhas façam bom proveito da leitura – Achei que com simplicidade, nos leva a fazer reflexões muito sérias – tanto com relação à Ärvore e toda a Natureza quanto com a conduta do Menino que nos representa em predação sistemática nos muitos âmbitos da vida. Quando trabalhado com crianças, podemos cultivar nelas uma atitude diamentralmente oposta a do Menino crescido. Tenho certeza de que vcs as estão educando para que assim sejam ❤ Beijos em você e nas suas netas 🙂

  3. Reply
    Cleusa X. Nogueira de Castro 25/09/2014 at 6:48 PM

    Cláudia Sampaio, minha linda amiga neste abençoado Grupo de Luz! Como você “metaboliza” com harmonia e ternura tudo o que o CODEX ensina e consegue fazer uma simbiose poética/ espiritual e nos oferecer seus conhecimentos com tamanho desprendimento tornando-os verdadeiras dádivas, em forma de Caridade, em sua verdadeira essência!Gratidão!

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade