Manter o terreno limpo

seedSementes brotam de dentro para fora. Trazem à tona aquilo que acumularam durante o período em que se preparavam para germinar.

Escolheram não permanecer apenas como sementes, guardando em seu espaço interior toda a possibilidade que o Universo lhes concedeu.

Decidiram pela expansão e brotaram. A princípio, apenas uma minúscula folhinha, quase que imperceptível aos olhos, demonstra todo esse propósito de iniciação e espia, timidamente, o novo que se apresenta.

Ao brotar ela se lança ao desconhecido, a um meio que até então, não lhe é familiar e precisa de um tempo de adaptação para se acostumar ao ambiente com ar, com luz, mas também com intempéries.

Nesse período, todo o seu conhecimento tem que ser reformulado, assim como avaliadas as condições que determinarão sua continuidade.

Brotos não escolhem se querem ou não continuar naquele lugar. Uma vez despertos do sono da germinação, seu caminho já está decidido. Não podem simplesmente largar seu destino e tentar uma nova adaptação em outro canteiro.

Brotos também não podem transformar de imediato, todo o espaço que se encontra ao seu redor. Por isso, nessa busca pelo crescimento, eles mantêm firme a vontade de desviar das pedrinhas, que porventura aparecem, e seguem com determinação, buscando o fortalecimento no sopro do vento, na luz difusa que chega até eles e nas gotas que o orvalho lhes oferece.

Procuram por caminhos que lhes facilitem o desenvolvimento e não ficam restritos às dificuldades que se apresentam. Superam esses desajustes sabendo que irão contorná-los e que todo e qualquer impedimento é apenas mais um exercício de fortalecimento.

Brotos não fazem comparação, nem com os outros que estão em formação no mesmo canteiro, nem com aqueles que já estão mais fortes, nem sentem saudades do tempo em que eram sementes e permaneciam no conforto do sono da possibilidade. Eles simplesmente se desenvolvem buscando o espaço que lhes é permitido e não impedindo que os outros também o façam.

Mas na lide do campo ou do jardim, sempre existe o agricultor ou o jardineiro que cuida do terreno, limpando e cuidando do espaço para que pragas não se instalem. No caso das sementes cósmicas, como ser broto e jardineiro ao mesmo tempo?

No DNA desses brotos já existe impresso o manual de conservação. Todas as recomendações necessárias para o bom desenvolvimento e para a vida plena estão disponíveis a todos e podem ser usados a qualquer momento e situação.

Todas as leis que regem as relações entre as individualizações, possibilitam que o solo do desenvolvimento se mantenha limpo e cuidado e impedem que as possíveis pragas do desajuste se instalem.

É necessário que se tenha mais atenção e cuidado com as decisões, com as palavras, com os conceitos já estabelecidos, com os julgamentos, com os rótulos, com as vontades, em resumo: com o ego.

Além disso, filtrar, selecionar e comprovar informações é útil para que não se tenha desperdício de energia, pois como já sabemos, “informação é igual à energia e energia é igual à informação; energia carrega energia e energia carrega informação; informação carrega energia e informação carrega informação.”

É importante fazer essa reflexão, considerando a responsabilidade e a importância de cada individualização para o processo de formação do novo canteiro terrestre, não só como brotos cósmicos, mas também como jardineiros de nós mesmos.

Seja Luz!

Comments

  1. Neuza

    Grata Iara, pela bela metáfora. Essa série de reflexões sobre sentes, brotos, terra traz uma pedagogia muito preciosa sobre o autoconhecimento. Fico aguardando sempre o próximo texto.