Laços

LaçosDa série: “A primeira colheita: laços”

Por Alê Barello

Este mês de tantas comemorações nos faz relembrar melhores momentos e avaliar nosso caminho até aqui.

Quero começar esta semana, com um post por dia, falando exatamente sobre isso: o que de melhor encontramos na nossa caminhada.

É claro que eu poderia começar discorrendo sobre as informações, mas não vou, não!

Porque hoje, voltamos do Rio de Janeiro e o impacto que tive ao encontrar os amigos pessoalmente, me remeteu às tantas situações que vimos neste ano!

Do que eu estou falando?

Das mais firmes e lindas relações que se firmaram entre vocês, sem nossa interferência direta!

Se nada do que fizemos contextualmente no site, nos grupos virtuais, nos encontros, valeu em termos de conteúdo — o que acho impossível, mas tem quem não ache, então vou considerar a insana possibilidade — o que de verdade existe e é comprovável são as amizades que surgiram nessa caminhada.

Pessoas que nunca sequer imaginaram conhecer amigos verdadeiros através de redes sociais, estão se encontrando e trocando experiências; a noção de estar sozinho com pensamentos ilógicos, sentindo-se peixe fora da água, para muitos, passou; coisas que nunca haviam sido ditas e estavam nas mentes e nos corações, são compartilhadas através de mensagens, emails, conversas, confissões.

Amigos que se reencontram… é sim um reencontro!

Família que se reúne… cósmica, quem sabe; de coração, certamente!

Têm “segredinhos” entre vocês; piadinhas que ninguém mais compreende, só os verdadeiros cúmplices; olhares que só os que se entendem podem trocar! Tem um brilho de gente em fase de crescimento, que achou sua turma e que precisa firmar a identidade, andar em grupo e mudar o mundo.

Vejo todos os dias — e leio e recebo e endosso — projetos, planos, ideias, aspirações, parcerias.

Isso é simplesmente maravilhoso!

Como eu me sinto?

Ahhhhhhhhhhh…

Como vocês!

Também achei minha turma, se bem que já estava reunida numa pequenina célula e se expande como o fermento do pão da Margareth Araujo sempre traz quando nos vê.

Pão que é vida, feito de trigo e não de joio e de amor e de trabalho e só por isso e por tudo isso, pode nutrir, o que é diferente de alimentar.

Esse alimento necessário antes mesmo das informações é nosso maior patrimônio, como movimento.

Tenho chamado o “Grupo Era de Cristal”, de “Movimento Era de Cristal”.

Para mim, faz sentido e para vocês é constatação.

E sempre em movimento, façamos mais barulho!

Agora que somos uma verdadeira “quadrilha” de Luz, podemos sair por aí, cabelos ao vento, muitas canções prontas para serem cantadas e um sorriso que não sai mais da boca.

Porque amor é ação e precisa ser compartilhado. Como um tesouro !

Sejamos Luz!

* a série de artigos “A primeira Colheita” foi escrita em comemoração do primeiro ano de trabalho público do Movimento Era de Cristal. Originalmente os textos foram postados no grupo Era de Cristal do Facebook.

Artigos Relacionados

1 Comment
  1. Reply
    Ana Laura Fonseca 08/04/2014 at 5:07 PM

    Não tenho recebido nada em meu e mail,por isto estou sempre me inscrevendo desde que começaram a publicar na internet.Moro em Niterói RJ e tenho minhas dificuldades para ir a SP.Abraços afetuosos.LUZ PAZ AMOR E HARMONIA.GRATA.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade