AUTOR CONVIDADO

Já escolheu seu mundo?

Sim, podemos escolher nosso próprio mundo. Descobri meio tarde, aos 40, e ainda estou aperfeiçoando a ideia. Falo de escolhas de modos de vida, de como quero viver em sociedade, trabalhar, criar minhas filhas, me relacionar, de assumir a própria verdade. Dito assim dá um certo arrepio. Assumir a própria verdade e escolher um mundo pra viver pode ser assustador.

Vinha eu, meio tranquila meio inquieta, mas seguindo a vida que me indicaram, quando a inquietude começou a ser mais barulhenta. E então comecei a me questionar mais, coisas do tipo: será que tenho mesmo de estar na moda; será que preciso fazer aquela viagem que é o sonho de consumo coletivo; por que bolsa de mulher tem que ter só objetos de beleza, cartões de crédito, e celular; deixo minha filha pequena nesta conceituada escola de ballet ou a coloco na yoga???? Podem parecer questões superficiais, mas formavam a capa que envolvia meus valores mais profundos.

Sou geração X, aquela que aprendeu a estudar, construir, materializar, desde que seguindo as regras. Mas também aquela que nasceu em meio às dúvidas da turma “Paz e Amor” e dos que priorizaram o status quo. A geração da transição. Talvez a tomada de consciência sobre as possibilidades de escolha tenha vindo com a dita crise da meia idade, ou com a maturidade das experiências sentidas e vividas. De todo modo está sendo um caminho lindo de descobertas de possibilidades que me faz mais responsável pelo mundo em que vivo.

Dos questionamentos vieram as tomadas de decisão. E aí o tsunami chegou!

Tudo foi repensado, reduzido, reutilizado e reciclado. Do trabalho que eu amava como executiva de comunicação, resolvi reutilizar os conhecimentos para abrir minha própria empresa. A base foi ótima e me deu suporte para iniciar uma nova carreira. Reciclei hábitos antigos e estou reduzindo minha necessidade de consumo.

Meu mundo profissional e pessoal agora é um só e reflete minha escolha por fazer o planeta melhor para as pessoas, para o meio ambiente, para a economia e para os relacionamentos. Podes achar pretensão minha, mas estou aqui justamente para te convidar a vir junto. Quero trocar ideias simples de responsabilidade social que podem ser incorporadas em nossa rotina, aqui e agora.

Vamos?!

Autor do Artigo
Rosélia Araújo Vianna
Sobre o Autor
Mãe da Laura e da Isadora. Apaixonada pelo Victor, com quem felizmente casou-se. Mora na zona rural de Porto Alegre, portanto é aprendiz de agricultora e cuidadora da terra. Mestre em Comunicação e Marketing, atua profissionalmente com projetos sociais. Em formação como Terapeuta Ayurveda, na Escola Brahma Vidyalaya e estudante de filosofia, por conta própria.
8 Comments
  1. Eu adorei o texto Rosélia Vianna. Nunca é tarde para rever nossas escolhas, pois tudo acontece no Agora. Gratidão!!

  2. Gratidão, Rosélia pelo texto e pelos insights. 🙂

  3. Adorei o texto e me identifiquei com o seu momento. Quero fazer troca de conhecimentos dentro do que conheço sobre moda e sustentabilidade e que ativa um novo humano. Quero!!!!!

  4. Que lindo caminho! Escolhas pedem coerência, que está diretamente ligada ao resultado da intenção quando colocada em ação. Atitude e acertividade. Parabéns!

  5. Rosélia, SIM, VAMOS!
    Gratidão pelo seu depoimento, também tive a bendita “crise da meia idade” e com isso passei a perceber o mundo diferente, ou melhor, criá-lo, pois somos co-criadores.

  6. Um lindo relato que deve acontecer com muitas de nos em algum momento.O meu processo se concretizou ha 7 anos,quando me mudei para uma cidade de praia,sair da loucura de São Paulo,foi libertador,as necessidades materiais se tornaram tão pequenas gracas ao co tato maior com a natureza.Grata por relembrar!

  7. Reply
    Roselia Araújo Vianna 22/11/2018 at 4:46 PM

    Coisa boa estes retornos! Somos realmente uma experiência da fonte!

  8. Roselia , me revi, em algumas linhas…
    A mudança …
    Como a vida pode te surpreender….
    Aceitaçao…

    Seja luz,sempre,no seu caminhar!

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade