Intuição e Rebeldia

Texto: Ale Barello | Ilustração: Gisele Caldas
 
Ilustração Gisele Caldas

Ilustração Gisele Caldas

Sou uma típica intuitiva!

Sinto, vejo, ouço, farejo, compreendo, abstraio e basicamente… enlouqueço!

Fico olhando para as pessoas que dizem que “não têm intuição” com uma ponta de lástima pela minha própria condição e sabiamente me lembro de que não são os extremos que nos fazem felizes e, principalmente, de que isso nem é verdade.

Veja o caso da milésima vez em que aceitei uma pessoa em minha vida, privando intimamente de meus pensamentos, sentimentos e ações, para dez minutos depois, estar batendo a cabeça na parede, de arrependimento de tê-la deixado entrar…

Quantas e quantas vezes, ouvi o “não vá” e fui, o “não faça” e fiz e o “corra” e estanquei?

Haja rebeldia! UMPF!

Daí você, que nos leu nesta semana inteira, estava aí pensando em mais jeitos de ampliar sua capacidade intuitiva, além do Espaço do Coração, que é claro, é apenas uma possibilidade dentre tantas, mas totalmente funcional.

Vou contar um segredo:

Intuição é o instinto da alma.

 

Se você tem algo a mais que o corpo físico, tem intuição — e entenda como “alma” a sua porção energética, tenha lá o nome que tiver.

O corpo físico age sozinho — ainda bem! — quando precisamos de uma decisão rápida e que preserve nossa integridade. Falamos do instinto.

O corpo energético faz exatamente a mesma coisa, só que no terreno da experiência, nos preservando de ações que mais tarde, poderiam nos tirar do eixo. Essa é a intuição.

Então, é mais ou menos assim: você está andando numa rua movimentada e ouve um barulho de briga. Na hora, o instinto age e todas as substâncias que precisam aparecer para lhe fazer correr vêm à tona. Adrenalina a mil, se esquece da dor nas pernas, do desvio de coluna, da artrose e pula até um muro, nem se sabe como.

Mas volte um pouquinho no tempo, antes de sair de casa em direção à tal rua. Pense bem se não sentiu uma vontade súbita de ficar e ver Sessão da Tarde, ou se não queria mudar de caminho, porém, não resistiu à força do hábito, ao condicionamento, à razão ou à disciplina (ou à culpa).

Normalmente, enquanto instintos parecem indomáveis, intuições nos sabem como pequeninas folhas ao vento, que não resistem ao fluxo externo.

“Mas ela não vem lá de dentro?”

Não! Ela está alocada na sua camada energética, a que tudo entende; se liga ao seu corpo físico, e finalmente, ao seu cérebro, como uma muda sinalizando em libras que é hora de partir, de ficar, de andar, de fazer, ou de desistir.

Somos pouco complacentes com a intuição, tanto, que a do outro parece bem mais eficaz que a nossa, não? 😀

Eu posso ter certeza de que vou me meter em confusão e ainda assim, chamo os intuitivos ao redor para me certificar da impressão.

Se a gente soubesse que sabe…

Tenhamos paciência com nossas limitações e vontade de supera-las.

Todas as filosofias propõe, uma hora ou outra, que façamos um momento de silêncio, um desligamento com o externo e uma ruptura com o pensamento racional.

Essa é a única forma possível de detectarmos o sussurro da intuição… Contudo, quanto mais focamos nesse tímido murmúrio, mais ela fica confiante e se formos doces o suficiente, ela se comunicará conosco, de forma cada vez mais audível!

Nossa intuição precisa de muita coragem para nos abordar novamente, sabendo que muito provavelmente não lhe daremos crédito. Foi isso que fizemos sempre e felizmente, não tem a menor importância.

Tenho certeza de que a intuição nunca desistirá de mim e se eu pudesse lhe dar um apelido digno, a chamaria de “Folhas de Cristal num Outono que Nunca Termina“.

Seja Luz!

*-* Escrevi esse texto para o desenho da Gisele Caldas. É meu agradecimento pelas cores vivas que se intrometeram nas minhas palavras, por vezes, cinzentas. *-*

Comments

  1. Janice Valeria Pedro

    Alê…voce está cada dia mais doce…intuitiva ou não seu processo, sua luta, sua coragem está te fazendo cada vez melhor…sinto-me honrada por conhece-la e poder participar, um pouquinho da sua evolução. ” Tô na rabeira…pegando a maior carona…” Beijos com muito carinho.

  2. Uiara Andriewiski

    Que eu permita aceitar com toda coragem minhas folhinhas de cristal ou verde, vermelha, …
    Parabéns Alê…texto emocionante.
    Parabéns Gisele…desenho gratificante.

  3. zeneide

    Adorei… e ri no momento que fala sobre as dores que esquecemos na hora do instinto… mas a realidade é uma só…devemos sim dar mais atenção a nossa intuição e seguir o que ela nos propõe… 🙂 seremos mais felizes!! bjks…Gisele e Ale!!

  4. Cleusa Xavier Nogueira de Castro

    Allê a cada dia a admiro mais e mais… A luta, a perseverança, a rebeldia, a coragem, a perspicácia, a paciência são ingredientes virtuosos de seu caráter, que expressam com brilho o resultado da Luz que a inunda e a circunda, esparramando-se suavemente e nos tocando e nos chamando para o enfrentamento daquilo que realmente somos e não sabemos ou não nos permitimos ser. Amo você, que reflete o que quero ser e, ainda, não sou!

  5. Maria Emilia Nunes Oliveira

    A tua intuição, comunica-se comigo e com muitas outros anjos encarnados. Luzes cristalinas para você, sempre. Amor e
    Paz. Agradeço por cada palavra.

  6. marcelle sampaio

    Amei! A intuição é o instinto da alma”. Que sacada!!! E os desenhos da Gisele, realmente são muito belos , expressivos, tocam a alma.”Folhas de cristal em um outono que nunca acaba”???? Belíssima imagem e captação da mesma. Fechaste a semana com chave de cristal Alê! Gratidão.

  7. Claudia Dantas Fonseca

    Querida Ale, este artigo nos levou a uma rápida lembrança; , E com as suas folhas de Cristais deste outono sem tempo e espaço , nos convida para que amorosamente reforcemos nossos laços com a nossa intuição. Bravo !
    Gisele querida, quão delicado e ao mesmo tempo firme sua arte expressa toda a sua maestria.

  8. Monica Moreira Pereira

    Que seria dos meus passos ,das minhas mudanças ,da minha felicidade ,do meu casamento,se não fosse minha intuição ? Sim Ale ,mesmo quando voce acha que errou e não seguiu a intuição..ela acontece..e vc vive uma outra situação..que te leva a uma evolução. Adorei sua abordagem,como sempre ..arrasa !

  9. bya

    Que lindo demais! Intuição minha fiel escudeira meu instrumento e guia de trabalho,apurado esse instinto da Alma ,que sempre escuto e passo as informações para quem me procura, adorei essa semana pois esse é meu Mundo, o invisível, o oculto, o que se aceita e acredita e confia, no outro lado do racional, o do coração e da Alma, da Fonte criadora. Feliz por participar desse grupo. Gratidão.

  10. Maria Aparecida Basso

    Parabéns ALÊ ,fechou com folhas de cristal, a propósito desenho e texto em pura sintonia .
    Folhas de cristais tornam-se coloridas em contato com a LUZ.Gratidão.

  11. Rosane Sánchez

    Amei o texto, Alê querida!
    Se as pessoas prestassem 50% de atenção nas suas intuições, evitariam vários sofrimentos.
    Dou muita importância a minha intuição e sempre a sigo!
    Já me “safei” de vários dissabores por ter dado a devida importância a ela!!!
    Gratidão pelo texto! Abração de luz!!!

  12. Neuza

    Aproveito as folhas de Cristal Num Outono que Nunca Termina para agradecer, de uma só vez, toda abundância e doação de talentos, impressões, ensinamentos, amor e principalmente LUZ emanada por este grupo Cristalino que aqui deixou sua contribuição.
    Durante a semana fui lendo, na medida do possível, os artigos que vinham em abundância gerados pelo o que tocou cada uma no encontro do dia 17. E, hoje, finalmente li o último da série. Quanto a mim o que ficou ressoando pós-encontro foi uma fala da Alê que a Joana colocou como ultima frase do artigo que escreveu (“sinta tudo o que está acontecendo a sua volta sem se basear apenas pelas pessoas.”) Olhe, sinta, cheire preste atenção nas plantas, nos bichinho de estimação, em você, nos seus pensamentos tudo, tudo são pistas e sinais valiosos. Foi bom ser lembrada disso e já incorporei. Pensei: – seria interessante se várias pessoas escrevessem sobre suas impressões do encontro. Teríamos uma impressão grupal.
    E não é que aconteceu?! Não sei se foi combinado, mas todos os artigos falaram da intuição, cada uma iluminando um aspecto e formou um lindo caleidoscópio. A Intuição – Iara Bechara ( é a Inteligência peculiar que habita o nosso coração e que guarda a fonte dos conhecimentos…. Coração o único lugar do nosso corpo que não é atingido pelo câncer,). Considerações sempre cientificamente embasadas. Intuição e os corpos energéticos – Marcelle Sampaio (Onde se localizam os órgãos sensitivos responsáveis por este sentido, o sexto? Como podemos estar atentos à ele, e além disso, confiarmos no que intuímos?) e vem uma resposta: Intuição e Rebeldia – Alê Barello (se formos doces o suficiente, ela se comunicará conosco, de forma cada vez mais audível!…. Se a gente soubesse que sabe…) Como saber? Mergulhando em Si mesmo: O processo intuitivo – Claudia Sampaio, responde. E explica: (No processo intuitivo, nossa percepção dá saltos no tempo e no espaço e subvertendo o caminho linear da lógica, apresenta um panorama geral através da compreensão, impressão ou sensação prévia sobre algo, seja uma individualização, dinâmica, ou um contexto.) É, Novos tempos e a Intuição – Zê Batista, completa e deixa o convite: (façamos uso dessas ferramentas com disciplina sempre com base nas Leis do Amor e da Misericórdia e estaremos afinando ainda mais nossa intuição.)
    Amei todos os artigos e sou grata por todas as contribuições e sábios ensinamentos. Fiquei inspirada e fui reler Mulheres que Correm com os Lobos que fala de forma inquestionável da intuição feminina, particularmente acho que intuição não é questão de gênero, sugiro aqui o conto Vasalisa, a sábia da Clarissa Pinkola que fala do resgate da intuição como iniciação e de como ela é complacente conosco se formos ‘doces o suficiente’, como diz Alê e capaz de ouvir essa voz interior que diz a toda hora: “por aqui, por aqui”
    “Cada um de nós recebe uma célula refulgente que contem todos os instintos e conhecimentos necessários para nossa vida” Clarissa Pinkola

  13. marilda benevides

    Alê, já li duas vezes o texto e sei que voltarei aqui muitas vezes…todas as vezes que não ouvir minha intuição e der com os burros nágua…(lembrei-me de quando você não ouviu a sua intuição e foi ao shopping…lembra?) Peço permissão para nomear a minha intuição de “Folhas de Cristal num Outono que Nunca Termina 2″. Gratidão, seja luz!