Interação

InteraçãoDa série: “A primeira colheita: interação”

Por Alê Barello

A opção de abrir um canal virtual para contato com “possíveis” interessados no trabalho do grupo Era de Cristal, era algo bem distante, no início de 2012 e como atuo diretamente no processo, vou passar esse relato apenas pelo meu ponto de vista.

Começamos com o site e na sequência, aproveitei meu próprio perfil no Facebook para criar este grupo e a página Era de Cristal.

O início das atividades virtuais foi anunciado no site do STUM, do qual fazíamos parte desde julho, quando Sergio Scabia nos visitou no Embu, a convite da querida Elizabeth Cavalcanti, que por sua vez, havia participado de um encontro duas semanas antes e se encantara com as informações e procedimentos.

Então, se temos uma madrinha virtual, é Elisabeth, que nos trouxe o Sergio, que nos trouxe quase todos vocês, de um jeito ou de outro.

Este grupo do Face foi criado no dia 17 de setembro de 2012, às 13:54.

Logo de cara, foi entrando um… outro… mais um… e estávamos com 50 participantes que em sua maioria, não se conheciam, nem do Face, muito menos na “vida real”.

Nossos papos por aqui eram mais voltados para o próprio processo e as dúvidas eram incrivelmente pertinentes, mas para dizer a verdade, o que mais fazíamos, era nos divertir! A cada dez novos integrantes, fazíamos uma festa e chegar a um número redondo, na casa da centena, era um objetivo tão distante quanto as próprias Plêiades.

O site foi sendo alimentado com artigos duplicados do STUM, por sua vez, replicados no Face, tanto no grupo, quanto na página. Samba de uma nota só, feito por uma pessoa só: eu.

E aí, num arroubo de coragem, abri um canal de email para discutir os artigos, porque lá no STUM não há espaço para comentários e eles não aconteciam no site Era de Cristal.

Mas quando o endereço de email foi colocado na página de Contatos do site… quase caí dura para trás! Vem daí o indefectível “Morri! PLOFT!”. Foi o que pensei, uma semana depois de ter anunciado o endereço…

As pessoas queriam saber tudo: o que já fora escrito, o que não fora escrito e o que nunca seria escrito!

Eram tantas as perguntas e tão grande a quantidade de emails, que dividi com Iara a tarefa de responde-los.

“— O que é tão grande?”, pergunta você, piscando enquanto come sua bolacha.

Para quem respondia na vida profissional, sei lá, 20 emails por semana, receber de 150 a 300 emails por dia, quando havia a postagem de novos artigos, era simplesmente enlouquecedor!

Enquanto isso, o grupo do Face ia crescendo… Os “veteranos” iam recebendo os novos, encaminhando para as postagens e artigos e todos os dias era “tudo de novo”. Até que…

Até que precisávamos nos organizar! Já éramos mais de 1000 membros no grupo e a atividade com os artigos e emails absorvia tanto do meu próprio tempo que foi criado o primeiro grupo de administração.

E quanta confusão! Passaram por aqui os tipos mais descabidos, cabidos, inacabados e acabados! Um monte de gente absolutamente estranha aos propósitos do grupo que fazia propaganda de calcinha, de tônico capilar e queria nos convidar para shows de Heavy Metal. Não que tenhamos algo contra calcinhas, tônicos e rock pesado, mas nosso grupo não era para isso!!!

Junto com os marketeiros aproveitadores de multidões, outros, mais espertinhos… aquele que dava um curtir só para vender diplominha de ascensão; a turma dos totalmente ascensos e sem problemas e os pessimistas de plantão, que nem nunca entenderam o trabalho, nem estavam com vontade de fazê-lo. O único objetivo era tumultuar, puxar para baixo e destruir. Estava nítido e teve até um quase caso de polícia… caso que não vem ao caso, mas foi tão sério que tivemos que fazer uma reunião administrativa que durou das 20:00 às 6:00 da manhã do dia seguinte, recolhendo dados e nos protegendo e aos membros do grupo, que dormiam tranquilos e postavam fofuras nos seus murais, sem ter a mínima ciência de que, nos bastidores, um time mais parecido com o FBI do que com um grupo de pessoas focadas na evolução pessoal, trabalhava.

Fizemos uma limpa: botamos para fora os perfis que eram duvidosos, os semeadores de discórdia e começamos as regras…

Devemos nos lembrar do contexto: tudo isso aconteceu entre a terceira semana de dezembro de 2012 e a terceira semana de fevereiro de 2013, a fase da Ativação da Kundalini.

Quem estava por aqui, trabalhando pelo astral do grupo, percebeu e vivenciou o quanto foi difícil permanecer em pé na ocasião. Se em nenhum outro local aconteceu a separação entre o joio e o trigo, por aqui ficou claro.

Enquanto isso, divulgávamos o Codex, recebido dias antes do início da Ativação. STUM por lá, nós por aqui e começaram as falações dos detratores. Emails e mais emails encaminhavam para um site que discutia a procedência, veracidade, o conteúdo e o até o nome do Codex. Longas discussões nos murais, desentendimentos, ataques, ameaças…

A história teve origem em um indivíduo que vive de dar cursos de “Como tornar-se Mestre e ser Mestre de outros”. Custam em torno de R$ 1500,00, mas o material está incluso… Bom, hein?

No Canal Era de Cristal do Youtube, o vídeo falando sobre a Transição estourava e mais gente se ligava ao site, aparecia no grupo e… mandava emails… “Por que o mundo não acabou?”; “Que bom que o mundo não acabou!!!”; “Como assim o mundo não acabou???”; “Como falo com Ashtar?”; “Tive sucesso no Espaço do Coração!”; “Por que quando como fruta fico com sono?”; “Sou grata.”; “Sou grato”; “Toda a minha Gratidão”.

Isso nos fez continuar! E mudar formatos, para alcançar mais gente ainda.

Os encontros presenciais, que em 2012 eram semanais, lá no Embu, transformaram-se em mensais, em São Paulo e os Administradores iniciais viraram Conselheiros e receberam reforços da nova equipe, a que trabalha hoje na manutenção deste grupo e alguns começam a estender as atividades, organizando os Grupos de Estudo e o Day Camp.

Para que pudéssemos viver o mês de abril com a intensidade necessária, com foco nos eventos e no lançamento do Seja Luz! tomei a esquisitíssima decisão de fechar o mural, ou seja, de fazer com que cada postagem passasse por uma aprovação prévia antes de ser publicada, no que fui carinhosamente apoiada. Isso nos dá o fôlego para cuidar das atividades paralelas e restringe a gama dos assuntos, tornando-os completamente coerentes com o grupo.

Sabemos quantos somos? Sim, sabemos. Tenho verdadeira obsessão por estatísticas e a soma dos leitores individuais (IP único) do site Era de Cristal, mais STUM, mais Facebook – grupo, página, Codex – e canal Era de Cristal no Youtube totaliza, arredondando, 180 mil pessoas, espalhadas pelo planeta. Só não achei ainda um leitor na Ilha de Tonga, mas estou pensando seriamente em aprender o idioma para nos comunicarmos com eles.

Se eu estou preocupada com quantidade?

Estou mesmo!

O interesse de um ou de um milhão é o suficiente para me mover, em termos de informação e a confiança que tenho no time de estrelas que brilham muito mais do que eu mesma, em termos de planejamento, organização e foco, me dá tranquilidade para pensar em passos maiores. Sou diariamente aconselhada, advertida e apoiada por quem está dentro da máquina e sabe que qualquer escorregão é fatal, aqui na 3D.

Nunca, a palavra “interação” fez tanto sentido para mim e se estamos aqui, é por você. E se todos saírem e você ficar, continuaremos aqui.

Na contramão da corrente, meu lema quanto à divulgação do Movimento Era de Cristal é o seguinte:

“O último que ficar, acenda a Luz!”

Seja Luz!

* a série de artigos “A primeira Colheita” foi escrita em comemoração do primeiro ano de trabalho público do Movimento Era de Cristal. Originalmente os textos foram postados no grupo Era de Cristal do Facebook.

Seja o primeiro a comentar

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade