A Fé no Amor

Por Joana Ludwig, administradora das atividades virtuais do grupo no Facebook – Era de Cristal

ilustra_giselecaldas_generosidade_5 www.gisele-caldas.blogspot

Ilustração Gisele Caldas

Ao lado do leito de morte de minha mãe, recuperei minha fé no Amor.

Minha mãe era muito apegada à família e nossa união sempre foi sua maior felicidade. Lembro de ter na minha infância uma mãe muito carinhosa, presente, paciente e sábia. O tempo foi passando e fui me engendrando pelo mundo dos adultos e algumas coisas foram mudando. Hoje sou mãe e sei que ela fez seu melhor por nós – somos em três irmãs – e sigo seus bons exemplos com minha filha de 4 anos.

Após algumas decepções, ela somatizou um câncer que a fez partir no dia 17/12/2014, depois de vários anos de tratamento alternativo e 2 anos ininterruptos de quimioterapia.

Mesmo sendo uma mulher muito sabida, com consciência de que somos todos um e de que toda doença tem seu início no emocional, ela não conseguiu lidar com dores tão profundas.

Eu via em seu relacionamento com meu pai (que partiu em maio desse mesmo ano), um exemplo a ser seguido. Mas o mundo dos adultos me fez questionar coisas como o amor, o companheirismo e a lealdade.

Eu, sempre muito curiosa e sabendo que a reposta a essas questões me faria não ter o mesmo destino dela, fui em busca… Com muitos exercícios do Espaço do Coração e estando desperta, muitas sincronicidades aconteceram, se intensificando no último mês, para que eu pudesse sentir e compreender a resposta, que me veio enquanto minha mãe estava em seus últimos minutos aqui, e que eu gostaria muito de compartilhar agora.

Primeiro, vamos lembrar do Codex (meu companheiro no hospital):

Lei da Felicidade: “Regula como o indivíduo se sente em relação a algo, sendo então uma sensação e não um estado.”
Ou seja, você não É o que te faz feliz: você ESTÁ feliz.

Lei da Mudança: “Nada permanece da forma como se iniciou. Tudo está em constante transformação e modificação, sendo isto válido para todas as dimensões.”
“Depois da tempestade vem a bonança.”
“Às vezes, uma notícia boa vem disfarçada de notícia ruim.”
“A vida é como andar de bicicleta: há que se manter em movimento para se ter equilíbrio.” (Albert Einstein)
“A única coisa permanente é a mudança.” (Albert Einstein)

E eu sinto:
“A única coisa permanente é o Amor.”

Lei do Amor: “Colocar o bem estar, a ocupação e os sentimentos para com os outros, acima do eu. Negar a existência do mal no mundo e não resistir. O amor segue o curso da menor resistência.”

Como numa epifania, entendi que a Lei da Mudança tem como combustível a Lei do Amor. Não resistência. E a Lei da Felicidade pode ser melhor vivenciada aceitando-se a Lei da Mudança.

A Lei da Felicidade diz que a felicidade é uma sensação, então, você NÃO É aquilo que te faz feliz. Você é uma individualização da Fonte, com sua missão e seus talentos, e que pode sentir felicidade. Ou seja, você não É o que te faz feliz: você ESTÁ feliz.

Se você acredita SER a felicidade, o que acontece se você perder o que te faz feliz? O que sobra de você? Nada.

Mas, você não é a felicidade. Você sente felicidade. E se um dia a “perder”, você ainda terá a você mesmo e à Lei da Mudança.

Para mim, a Lei da Mudança pode ser também chamada de fé, tendo o verdadeiro sentido de “fé inabalável”.

A Lei da Mudança diz que nada permanece como começou.
Se existe algo que você tem e perde, tenha a certeza de que isso também vai mudar. A perda também não é uma situação permanente.
A única coisa permanente é o Amor.

Amor que entende que todos viemos da Fonte e que colocar o bem estar do outro acima do seu é saber que o seu próprio bem estar e o do outro são a mesma coisa.

Talvez tenha acontecido tudo tão perto do Natal, para que eu pudesse me lembrar do maior ensinamento de Jesus: “Amai ao próximo como a ti mesmo.”

Algumas religiões dizem que Deus nos deu Jesus de presente, seu único filho, para nos salvar, e Jesus é a personificação do Amor Incondicional.
Traduzindo para “o nosso idioma”, esse é o presente da Fonte: o Amor. Esse Amor é o combustível do Universo. É a única essência da Fonte. Esse Amor é o caminho, a VERDADE e a vida.

Esse Amor é o que serve de base para entender que não existem perdas, entendendo, assim, a Lei da Felicidade.
Perdas são ilusão.

Minha mãe me ensinou a enxergar o mundo “pela lente do amor”, parafraseando Gilberto Gil. E no momento de sua passagem eu pude absorver esse seu último ensinamento.

O Amor é o que fica.

Gratidão.

6 Comments
  1. Querida Joana.

    Agradeço suas palavras tão carinhosas e orientadoras.
    Que a vibração do AMOR, possa nos preencher, reverberar por onde quer que caminhemos e envolva todas as individualizações todos os dias. Grande abraço no seu coração. Bjs bjs

    • Joana, faço minhas as palavras da Clau Dantas. Gratidão, Querida, por trazer tanta Luz. Beijos e um 2015 muito abençoado pra você e sua família linda.

  2. Jô querida! Que texto maravilhoso! Ele traduz, exatamente, o que somos, ou seja, “UM”! E por sermos UM e da mesma Fonte, a qual é PURO AMOR, sempre estaremos ligados uns aos outros, em qualquer dimensão que nos encontremos! E, onde há AMOR, há REENCONTRO! É este AMOR IRRESISTÍVEL que conecta-nos aos nossos queridos, que já estão “no andar de cima”! Gratidão profunda! Abração de luz!

  3. Joana, que sentimentos elevados, fico feliz por você. E por todos nós com quem vc compartilhou. Grata pela sua Luz. Bom Sempre!

  4. Reply
    Cristina V Haas 02/01/2015 at 6:39 PM

    Todo Amor e Gratidão Joana.
    Seja Luz!

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade