Enfatizando o nosso melhor

livro de receitasQuem não tem, ou conhece alguém que tenha um livro de receitas?

Será que nesse livro só estão anotadas as receitas testadas, aprovadas e que permanecerão como relíquia de família, ou a grande maioria nunca deixou de ser apenas uma receita?

Muitas vezes, você só anotou porque achou interessante e nunca se propôs a fazê-la. Ou então, você foi convidado para almoçar ou jantar na casa de alguém que ofereceu aos convidados uma especialidade excelente que foi elogiada por todos; você não se conteve e pediu a receita, anotou em seu livro, até tentou fazê-la, mas não obteve êxito. Ela ficou completamente diferente daquilo que você havia provado.

Tem também aquele outro “jeitinho” para disfarçar a receita fracassada, que é arrumar uma desculpa quanto aos ingredientes (menores, maiores, fora de época…), tempo de cozimento, de forno, ou mesmo dizer que essa é outra maneira de preparar aqueles elementos.

E com essas “experiências”, vamos gastando tempo, desperdiçando alimentos e competindo com as nossas próprias habilidades, tentando repetir aquilo que o outro faz bem e deixando de preparar aquele quitute no qual você é expert.

Sempre tem alguém com mais “mão” para massas do que para doces e outro que prepara salgados com maestria, mas não se atreve a fazer um bolo, e outro perito em lanches que queima todos os assados e assim por diante…

Mesmo os grandes Chefs de Cozinha têm suas especialidades e as desenvolvem de maneira a valorizá-las para extrair seus troféus.

Pois bem, se formos ampliar esse exemplo da receita, veremos que repetimos a mesma situação em todos os campos da nossa vida. E isso acontece porque não nos damos conta de que não somos bons em tudo ou todas as coisas, nem nossos talentos são iguais, nem nossas habilidades e competências são semelhantes.

O que você faz muito bem, talvez, mesmo com todo o esforço e boa vontade, eu não consiga realizar. E isso não deve ser motivo nem de frustração, nem de “inveja”, mas de alegria por compreender que somos individualizações que, mesmo tendo origem e destino comum, ainda assim, permanecemos diferentes em razão da diversidade de experiências por que passamos.

Claro que podemos nos empenhar para conseguir realizar uma tarefa tão bem quanto o desejado. É certo que devemos nos concentrar numa atividade para que ela esteja a contento e não necessite ser refeita. Além disso, ela pode ter também a marca da nossa criatividade e acrescentar mais qualidade ao produto final.

O que devemos evitar é a comparação, pois sempre estaremos entrando num plano de julgamento, já que haverá sempre alguém muito melhor e alguém muito pior ao parâmetro que idealizarmos.

Usando de bom senso e assumindo nossas limitações, quando necessário, nosso caminho será facilitado pela humildade em reconhecer as qualidades do outro e pela benevolência em perdoar as nossas deficiências.

Voltando ao livro de receitas, cheguei à seguinte conclusão: tudo aquilo que sei fazer bem, vou oferecer aos meus convidados. Mas vou me reservar o direito de me fazer convidar para saborear as maravilhas preparadas por outras mãos, dividindo dessa forma as nossas habilidades, proporcionando a todos a oportunidade de provarmos manjares diferentes.

Que a nossa caminhada seja criativa, livre e produtiva para que possamos expandir nossos talentos de forma a aceitar o crédito por aquilo que verdadeiramente realizamos.

Seja Luz!

9 Comments
  1. Saborear o que o outro faz bem e permitir que ele saboreie o meu melhor, adorei a explicação. De fatos perdemos muito tempo forjando coisas que não é para ser enquanto o que fazemos tão bem fica lá esperando a chance de continuar de onde paramos….Obrigada querida, sempre tão sábias colocações, beijos de luz no seu lindo coração!

    • Quando experimentamos novos sabores, também valorizamos o gostinho caseiro, nāo é mesmo? Linda, gratidão imensa e beijos de luz!

  2. Reply
    Zeneide Batista 26/09/2013 at 1:03 PM

    Que a nossa caminhada seja criativa, livre e produtiva para que possamos expandir nossos talentos de forma a aceitar o crédito por aquilo que verdadeiramente realizamos. Perfeito… lembrando o Codex na Lei da Liberdade “Criar espaços de expanção para si e para os outros.” Grata!!

    • Zê, gratidāo por ir no fundo da questāo, querida! É isso mesmo: promover a expansāo. Beijos de luz!

  3. Você é o máximo Iara Bichara! O seu jeitinho de dizer com naturalidade e que pega lá no fundo da gente. Grata por tanta luz!

  4. Reply
    Waldeny Wieser Testa 26/09/2013 at 4:52 PM

    Iara vc é uma fofa linda, tem um jeito especial de nos fazer entender coisas profundas de uma maneira simples!!!
    Muito obrigada por ter conhecido vc!!!!
    Beijos imenso e carinhoso em seu coração

  5. Que receita simples e inspiradora nos fizeste recordar, Iara! Experimentemos! grata!

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade