E por falar em caridade, onde é que fica o Amor?

Texto: Fátima Pedro | Imagem: “Os dois amantes” Vincent van Gogh

10. van Gogh, Vincent - Two LoversComo falar da Caridade sem falar de Amor, não é mesmo?

Alguém já parou para pensar em quantas outras palavras definem, traduzem ou refletem a prática da caridade?

Eu não conseguiria pensar ou falar de Caridade sem integrar o Amor.

A própria Lei do Amor, demonstrada no CODEX: “Colocar o bem estar, a ocupação e os sentimentos para com os outros, acima do eu. Negar a existência do mal no mundo e não resistir. O amor segue curso da menor resistência.”, nos obriga a pensar no Amor, porque “se não houver AMOR…. nada sou…”

Praticar a caridade, no meu entendimento, é ser benevolente para consigo e para com o outro.

É ser indulgente com as imperfeições alheias, não julgando ou criando rótulos, uma vez que cada um age de acordo com aquilo que está sentindo naquele momento. Não existe o “certo ou errado” em cada situação, apenas o jeito que conseguimos agir. Mesmo que depois se descubra que poderíamos ter feito diferente para que as coisas acontecessem de uma melhor forma. Não importa, foi do jeito que tinha que ter sido e “ponto”. Respeitando os sentimentos e atitudes, tanto nossas como as de nossos semelhantes.

Aqui podemos citar ainda a “Lei da Misericórdia”, quando nos fala sobre “conferir o perdão a si e aos outros seres, na medida em que esses seres tenham entre si algum envolvimento, relacionado a alguma situação específica.”

Tem uma frase, que há alguns anos procuro seguir: “Tente não fazer aos outros aquilo que não quer que façam a si”, esta atitude, penso, pode ser um estímulo para a prática da caridade.

São muitas as possibilidades desta prática, não só a caridade material, onde doamos algo a alguém que necessita.

Há também o conhecimento passado adiante, onde damos a possiblidade do outro “Re-lembrar” o que já se encontra armazenado em seus registros – memórias.

Mas, o que mais me toca, é a possibilidade de auxiliar as outras individualizações a saírem do estado de medo e se conectarem com o amor. É simplesmente fantástico, e me sinto grata à Fonte por este aprendizado, quando vejo a transformação, inclusive no semblante, daqueles que nos procuram, quando descobrem que conectando-se ao amor, numa prática diária, podem encontrar as respostas e caminhos para solucionarem as situações conflituosas de sua vida.

Enfim, “O amor é a força que rege o Universo e a Caridade é o ato pelo qual deixamos fluir o Amor que abrange todas as relações com os nossos semelhantes, ou seja, a doação natural é total, sem constrangimento nenhum para com o próximo, pois temos o Amor como força regendo todas as nossas relações.”(do site: A Era do Espírito”)

Na prática da Caridade sejamos o AMOR pleno, transmitindo essa energia emanada da Fonte, onde não há diferença e nem dualidade, onde somos UM e o MESMO!

Toda LUZ em cada Agora!

Seja LUZ!

6 Comments
  1. Que coisa linda viu..eu lendo o artigo, é como se estivesse ouvindo a Fátima, falando essas palavras..conexão nota 10!! “Eu não conseguiria pensar ou falar de Caridade sem integrar o Amor.”
    Gratidão a Fonte por viver este agora!

  2. Reply
    Claudia Sampaio 10/09/2014 at 1:19 PM

    Gratidão, Fátima!! Esta transformação no semblante que você cita é uma das mais comoventes – muitos de nós a vemos inclusive em nós mesmos, quando olhamos fotografias antigas. Um beijo, Querida Beija Flor!

  3. Querida Fátima, sem o Amor, a Caridade torna-se apenas um ato, um gesto, uma mímica, que embora possa ajudar no momento imediato, logo perde a consistência. Belo artigo!

  4. Fátima querida! Gratidão pelo texto maravilhoso!
    Resumindo. SER UM, É SER AMOR!Abração de luz!

  5. Reply
    Uiara Andriewiski 10/09/2014 at 11:41 PM

    Caridade, amor e luz.

  6. Reply
    Monica Moreira Pereira 13/09/2014 at 7:03 AM

    Doses imensas de Amor pelo próximo ,nos faz sentir o poder e a importância da Caridade, minha fonte de vida , “O amor é a força que rege o Universo e a Caridade é o ato pelo qual deixamos fluir o Amor que abrange todas as relações com os nossos semelhantes, ou seja, a doação natural é total, sem constrangimento nenhum para com o próximo, pois temos o Amor como força regendo todas as nossas relações.” E é assim que vou vivendo há seculos.
    Thanks Fatima , muito lindo.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Unaversidade